Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

O ABC contra o terrorismo

  • 333

Um agente especial americano explicou ao Expresso o que se deve fazer em caso de um atentado como o de Orlando.

Desde o passado mês de Novembro que os mais de 1800 arranha-céus que albergam escritórios na cidade de Nova Iorque têm um plano de emergência para casos de tiroteio ou atentado, uma medida que será estendida a todos os hotéis até final deste ano.

“O que o ataque de Orlando demonstrou é que as pessoas têm de saber o que fazer durante um eventual ataque. Se aqueles que estavam na discoteca tivessem aplicado o método ABC, o número de mortos teria sido, substancialmente, menor”, garante ao Expresso David Katz, antigo agente especial da Drug Enforcement Administration (DEA), a Agência federal americana que lidera o combate ao narcotráfico, e CEO da empresa Global Security Group.

O método ABC (a sigla significa Avoid-Barricade-Confront) é o mais aconselhado pelas forças de segurança americanas e, na prática, indica que a prioridade é evitar e fugir. Em último caso, contra-atacar é a solução porque “não há dúvida que iremos ser um alvo a abater”, afirma Katz, que também trabalhou como instrutor na academia do FBI, em Quantico.

Conhecido antigamente como RHF (Run-Hide-Fight, isto é, correr, esconder e lutar), o método foi melhorado e hoje é ensinado a todos os empregados nova-iorquinos que trabalham naqueles arranha-céus.

Sempre que há um alerta, o supervisor do edifício anuncia nos altifalantes que há um homem armado à solta e que “todos devem activar o protocolo ABC”, diz o perito.

“Sabendo o que fazer, torna-se mais fácil escapar. Aos primeiros disparos devemos olhar para a saída mais próxima e correr. Nada de pegar no telefone e contactar família e amigos. Correr é sempre a primeira opção. Caso tal não seja possível, devemos procurar um local, uma sala por exemplo, e bloquear a entrada com mobiliário, dificultando a entrada do atirador. Se nada disto for possível, as pessoas têm de lutar”.

O atentado na cidade de Orlando, na madrugada de domingo, provocou 49 mortos e 53 feridos.

  • “Obama prometeu uma guerra limpa. Eis o resultado”

    Polémico, Beau Grosscup escreve sobre terrorismo desde os anos 70. Professor na Universidade da Califórnia, relaciona o ataque terrorista de Orlando com o alegado insucesso da estratégia americana de contraterrorismo, em particular com o programa de assassinatos selectivos executado por aparelhos não tripulados (“drone program”).

  • Omar falava constantemente em matar pessoas, revela ex-colega

    Daniel Gilroy, que trabalhava com Omar Mateen na cidade de Port St. Lucie, na Florida, descreveu-o como um “homem violento e revoltado”, que estava sempre “zangado, nervoso” e pronto a insultar outras pessoas, fosse por razões étnicas e raciais, fosse por razões sexuais

  • Daesh reivindica ataque a discoteca gay em Orlando

    A agência de notícias do autoproclamado Estado Islâmico, Amaq, anunciou que o autor do massacre que este fim de semana tirou a vida a 50 pessoas e deixou pelo menos 53 feridas era um combatente do grupo terrorista. Mas alguns jornais internacionais sublinham que o comunicado é evasivo e que, provavelmente, o grupo ter-se-á aproveitado da situação para dizer que Omar era combatente do Daesh

  • Quem era Omar Mateen? E porque decidiu matar?

    O norte-americano de origem afegã foi identificado pelas autoridades como o responsável pelo tiroteio deste domingo na discoteca Pulse em Orlando, na Florida. Foi investigado no passado pelo FBI por “possíveis ligações” a um terrorista islâmico, mas o seu pai garante que o crime não foi “motivado pela religião”