Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

BuzzFeed termina contrato com republicanos e recusa-se a publicar anúncios de Trump

  • 333

Elijah Nouvelage / Getty Images

Comité Nacional Republicano responde que “nunca planeou usar o site de qualquer forma” para publicar anúncios antes da convenção de julho, na qual o magnata populista e xenófobo deverá ser confirmado como o candidato do partido às presidenciais de novembro. CEO do site está a mostrar que “candidatos fora do comum exigem respostas fora do comum”, aponta a CNN

O portal web BuzzFeed anunciou que se vai recusar a publicar quaisquer anúncios do Comité Nacional Republicano (RNC, na sigla inglesa), o organismo do Partido Republicano responsável por organizar a convenção que, no final de julho, confirmará Donald Trump como o candidato oficial à Casa Branca nas eleições presidenciais de 8 de novembro.

Na segunda-feira, a administração do site de notícias anunciou que já pôs fim ao contrato de publicidade que tinha assinado com o RNC e com o Comité Nacional Democrata em abril, ainda antes de Trump ter afastado os rivais da corrida à nomeação do partido conservador.

O acordo estipulava que o Grand Old Party, como o partido republicano também é conhecido, ia gastar “uma elevada quantia em anúncios políticos a serem publicados durante o ciclo eleitoral de outono”, que começa assim que o magnata populista, xenófobo e machista for confirmado como o candidato do partido à Casa Branca, na convenção que acontece entre 18 e 21 de julho em Cleveland, no estado do Ohio.

Numa nota interna distribuída pela redação, o CEO do BuzzFeed, Jonah Peretti, informou que vai pôr fim a esse contrato com o RNC. “Nós não publicamos anúncios a marcas de tabaco porque é um perigo para a nossa saúde e não vamos aceitar publicidade a Trump precisamente pela mesma razão.”

Reagindo à notícia avançada pela CNN, o porta-voz do comité republicano, Sean Spicer, disse que “de qualquer forma [o partido] nunca planeou usar o BuzzFeed” como plataforma de publicidade ao seu candidato presidencial.

“Foram reservados espaços em várias plataformas, mas nunca pretendemos usar o BuzzFeed”, disse, antes de acrescentar: “É irónico que não tenham excluído a possibilidade de receberem dinheiro de uma candidata que está atualmente a ser investigada pelo FBI”. A declaração é uma referência ao inquérito aberto pelas autoridades federais a Hillary Clinton, a provável candidata democrata às presidenciais, por ter usado um servidor de email privado enquanto secretária de Estado da Administração Obama.

Para já, a campanha de Donald Trump ainda não reagiu à tomada de posição do BuzzFeed que é “altamente fora do comum”, como o próprio CEO da empresa reconheceu. “Os sites de notícias e canais de televisão normalmente procuram anúncios de publicidade políticos, em vez de os rejeitarem”, nota a CNN. “Mas o que Peretti está essencialmente a dizer é que candidatos fora do comum exigem respostas fora do comum.”