Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Aliança do Podemos reforça vantagem sobre o PSOE em Espanha

  • 333

Garzón e Iglesias formaram a coligação Unidos Podemos em abril de 2016 para tentarem destronar o PSOE e o PP nas urnas em junho

Carlos Alvarez

A três semanas das eleições legislativas antecipadas, conservadores do PP continuam à frente com 28,5% das intenções de voto, contra 25,6% para a aliança Unidos Podemos, 20,2% para os socialistas e 16,6% para o centrista Cidadãos

A mais recente sondagem de intenções de voto para as eleições legislativas espanholas de 26 de junho coloca a coligação Unidos Podemos em segundo lugar, à frente do Partido Socialista (PSOE) e atrás do Partido Popular (PP) de Mariano Rajoy, a três semanas da ida às urnas antecipada pela incapacidade de Pedro Sánchez, líder dos socialistas, em firmar um acordo de governação com outros partidos após Rajoy ter falhado em alcançar uma maioria qualificada nas eleições de dezembro.

Segundo o inquérito de opinião da Metroscopia para o "El País", neste momento os conservadores do PP angariam 28,5% das intenções de voto, contra 25,6% para a aliança Unidos Podemos, 20,2% para o PSOE e 16,6% para o recém-fundado partido centrista Cidadãos, que no final de 2015 também ficou em quarto lugar nas primeiras legislativas em que participou.

Apesar de manter a liderança nas intenções de voto, permanecendo em primeiro lugar, o PP angaria agora menos dois pontos percentuais de intenções em relação ao número de votos que alcançou a 20 de dezembro — estando, neste momento, a um ponto e meio dos 30% de votos necessários para garantir uma vitória nas eleições, aponta o "El País". Ainda assim, e de acordo com a mesma sondagem, 78% dos eleitores que votaram PP há seis meses dizem que ponderam voltar a escolher os conservadores.

O cenário é semelhante ao registado entre o eleitorado da Unidos Podemos. Apesar da "imagem de obstrucionismo" projetada durante as negociações de formação de Governo lideradas por Sánchez, durante as quais o Podemos de Pablo Iglesias se recusou sempre a integrar uma coligação de maioria socialista em parceria com o Cidadãos, os eleitores do Podemos e dos partidos da coligação Unidade Popular liderada por Alberto Garzón continuam a apoiá-los, com um nível de fidelidade de 79%. Com um avanço de 5,4% em relação ao PSOE, o segundo lugar para a candidatura de esquerda parece cada vez mais ser "uma realidade mais do que uma ameaça", aponta o jornal.