Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Conselho de Segurança da ONU vai discutir distribuição de ajuda humanitária na Síria

Há pelo menos quatro mil pessoas sitiadas em Daraya, onde último carregamento de ajuda humanitária chegou em novembro de 2012

AFP

Estados Unidos, Reino Unido e França querem intervenção após regime sírio ter falhado prazo para largada de alimentos e medicamentos nos pontos quentes da guerra. Em Daraya, por exemplo, a população continua sem comida desde 2012

Os Estados Unidos, o Reino Unido e França pediram esta quinta-feira à ONU que dê início à largada de ajuda humanitária em áreas sitiadas da Síria, após o regime de Bashar al-Assad ter falhado o prazo de 1 de junho para proceder à distribuição de comida e medicamentos que tinha acordada pelos atores regionais do conflito e os países que estão a tentar negociar um plano de paz para o país.

Neste momento, só em Daraya, um subúrbio de Damasco, há cerca de quatro mil pessoas sem acesso a comida desde 2012. Ontem, chegou à área um carregamento de ajuda humanitária que inclui apenas uma “pequena quantidade” de medicamentos e de outros itens não-alimentares.

Amanhã, o Conselho de Segurança da ONU vai reunir-se para discutir o envio de ajuda a essa e a outras cidades cercadas pelas forças do regime ou pelos grupos rebeldes que, desde março de 2011, tentam derrubar Assad.

Em comunicado, John Kirby, porta-voz do Departamento de Estado norte-americano, diz que centenas de milhares de sírios precisam de acesso “sustentável e regular” a comida e medicamentos em todo o país; o Programa Alimentar Mundial (PAM) da ONU, aponta o responsável, já informou os EUA de como devem proceder à largada de ajuda.

Em fevereiro, o PAM fez chegar 21 paletes a Deir al-Zour, uma zona do leste da Síria que está sob controlo das forças leais ao regime sírio, mas a operação foi um falhanço. Dez paletes desaparecerem, sete aterraram em terra de ninguém e quatro ficaram severamente danificadas.