Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

EUA: Polícia confirma um homicídio seguido de suicídio em universidade

  • 333

PATRICK T. FALLON/Reuters

As autoridades encontraram os dois corpos com ferimentos de balas, bem como a arma do crime. Ao final da tarde, o campus da Universidade da Califórnia, em Los Angeles, foi devolvido aos estudantes, que se encontram em fase de exames finais

Dois homens morreram esta quarta-feira num homicídio seguido de um suicídio no 'campus' da reconhecida Universidade da Califórnia em Los Angeles (UCLA), incidente que levou a polícia de Los Angeles a selar o local, numa aparatosa operação de segurança.

"Um homicídio e um suicídio ocorreram esta manhã, por volta das 10h (18h em Portugal), no departamento de engenharia na zona sul do 'campus' UCLA", indicou aos jornalistas o chefe da polícia de Los Angeles, Charlie Beck, citado pela agência France Presse.

Para além dos dois corpos com ferimentos de bala, a polícia encontrou também uma arma no local do crime. Terão sido disparados três tiros.

"Parece que o incidente está inteiramente controlado", afirmou a mesma fonte. "Há indicações de que pode haver uma carta de suicídio, mas ainda não sabemos de momento", acrescentou.

O tiroteio levou a polícia de Los Angeles a montar uma aparatosa operação de segurança, deslocando para o local centenas de efetivos, equipas de operações especiais, assim como agentes federais.

Os estudantes e todos os funcionários receberam inicialmente ordens para encontrarem um lugar seguro e permanecerem nesse local até novas ordens; foram em seguida conduzidos para apenas um edifício do 'campus' universitário, antes de a operação ser dada como concluída.

As aulas foram interrompidas durante todo o dia e o 'campus' apenas ao final da tarde foi devolvido aos estudantes, que se encontram em fase de exames finais, e portanto, em níveis de 'stress', já por si, particularmente elevados.

A UCLA é uma das universidades mais conhecidas dos Estados Unidos, recebe investigadores e estudantes provenientes de todo o mundo para os seus cursos, que vão do cinema às ciências, passando pelas ciências políticas.

Este tiroteio é apenas o último num país onde os ataques com armas de fogo são quotidianos. Desde o início do ano, ascendem já a 5.451 os mortos por armas de fogo, decorrentes de 21.549 incidentes registados e divulgados na internet pela Gunviolencearchive.org.