Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

16 anos de prisão para comandante do navio Costa Concordia

  • 333

Francesco Schettino, em fevereiro de 2015, na audiência do julgamento em primeira instância. Esta terça-feira não esteve presente em tribunal

ALBERTO PIZZOLI/ Getty Images

A decisão em segunda instância foi esta terça-feira confirmada pela justiça italiana. Francesco Schettino tinha sido condenado, no ano passado, por homicídio, abandono do navio e naufrágio. O Costa Concordia naufragou em janeiro de 2012, causando 32 mortos

A justiça italiana confirmou esta terça-feira em segunda instância a condenação a 16 anos de prisão do comandante do navio de cruzeiros Costa Concordia, cujo naufrágio ao largo de Itália fez, em janeiro de 2012, 32 mortos.

O antigo comandante do navio, Francesco Schettino, ausente da audiência do tribunal de Florença, tinha sido condenado em fevereiro de 2015 por homicídio, abandono do navio e naufrágio pelos juízes do tribunal de Grosseto, na Toscana, onde o seu julgamento em primeira instância se iniciou em julho de 2013.

Foi então condenado a uma pena de 16 anos e um mês de prisão efetiva, apesar de o ministério público ter pedido 26 anos de reclusão.

Em recurso, o ministério público pediu 27 anos de prisão e os seus advogados, a absolvição.

O ex-comandante do Costa Concordia não irá, contudo, já para a prisão, porque a sentença ainda não é definitiva: existe a possibilidade de mais um recurso.

O Costa Concordia, que navegava demasiado perto da costa da ilha toscana de Giglio, embateu num rochedo na noite de 14 de janeiro de 2012 e afundou-se a algumas dezenas de metros da ilha, com 4.229 pessoas a bordo, 3.200 delas turistas.

Trinta e duas pessoas morreram, incluindo duas cujos cadáveres nunca foram encontrados.

O navio naufragado e em parte imerso foi, depois, novamente posto a flutuar e transportado, em julho de 2014, até ao porto de Génova para aí ser desmantelado.