Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Aumentam contradições no caso do voo MS804 da EgyptAir caído no Mediterrâneo

  • 333

Forças Armadas Egípcias / Reuters

Depois de ter sido avançado que restos mortais apontam para explosão do Airbus A320, chefe da equipa forense egípcia desmente a versão. De acordo com o jornal "Al-Ahram", não houve quaisquer problemas técnicos no voo MS804, que se despenhou a sul da ilha grega de Creta na passada quinta-feira, em rota de Paris para o Cairo. Autoridades continuam à procura das caixas negras

O chefe da equipa de cientistas forenses egípcios que estão a analisar os destroços do voo MS804 da EgyptAir já recuperados do Mediterrâneo negou esta quarta-feira que os restos mortais de algumas das vítimas comprovem que houve uma explosão a bordo do Airbus A320 despenhado naquele mar na passada quinta-feira.

"Tudo o que foi publicado sobre esse assunto é completamente falso, meras presunções que não vieram da Autoridade Forense", disse Hesham Abdelhamid num comunicado citado pela agência estatal MENA.

Na terça-feira, fontes dessa mesma autoridade tinham avançado sob anonimato à Associated Press que uma primeira análise aos restos mortais de alguns dos passageiros apontavam para a forte possibilidade de ter havido uma explosão a bordo.

O voo MS804 partiu de Paris em direção ao Cairo pelas 23h de quarta-feira da semana passada com 66 pessoas a bordo, incluindo um português, sete tripulantes e três funcionários de segurança da EgyptAir. Cerca de três horas e 40 minutos depois de ter descolado do aeroporto Charles de Gaulle, desapareceu dos radares, já na madrugada de quinta-feira, tendo entretanto sido confirmado que caiu no Mediterrâneo.

As causas ainda estão por apurar, com as autoridades egípcias a falarem numa forte possibilidade de atentado terrorista e as autoridades francesas a dizerem que, para já, não há nada que aponte para essa versão. As autoridades egípcias e gregas, com o apoio de França e do Reino Unido, continuam à procura das caixas negras do avião, que poderão resolver o mistério.

De acordo com os investigadores franceses, o avião emitiu uma série de sinais de alerta que indicam que foi detetado fumo a bordo, elevando-se a possibilidade de ter havido falhas técnicas durante a viagem para o Cairo. Contudo, esta quarta-feira o jornal estatal egípcio "Al-Ahram" avançou que não houve quaisquer problemas antes da descolagem de Paris, com base no relatório assinado pelo piloto do MS804 antes da partida.

O diário de bordo do piloto foi publicado pelo jornal no seu website ontem, mostrando as 11 mensagens eletrónicas que começaram a ser transmitidas pelo voo da EgyptAir às 21h09 de 18 de maio (menos uma hora em Lisboa). As primeiras duas mostram que tudo estava funcional e que não havia problemas nos motores. A terceira, registada às 00h26 da madrugada de 19 de maio, mostra que houve um aumento da temperatura na janela do copiloto. O avião continuou a transmitir mensagens nos três minutos seguintes, antes de desaparecer dos radares.