Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Facebook admite erro ao proibir anúncio com modelo plus-size

  • 333

O grupo feminista Cherchez La Femme organizou um evento que tinha como objetivo promover a aceitação dos vários tipos de corpos e o positivismo em relação à aparência. Recorreu ao Facebook para divulgar a iniciativa, no entanto, a rede social recusou a publicação do anúncio, pois a imagem da modelo plus-size “não cumpre a Política de Saúde e Fitness”

O que era suposto ser só mais um anúncio a circular no Facebook, acabou por se tornar quase numa luta pela aceitação da imagem e dos vários tipos de corpos. A Cherchez La Femme, uma organização de ativistas australiana, tentou criar uma anúncio na rede social para promover um evento sobre o feminismo e o excesso de peso. No entanto, a equipa de Mark Zuckerberg recusou à partida esse anúncio, alegando que a imagem que ilustra o evento “não cumpre a Política de Saúde e Fitness” e mostra o corpo “de forma indesejável”. Só mais tarde o Facebook recuou na decisão.

“A nossa equipa processa milhões de imagens publicitárias por semana, por isso ocasionalmente cometemos erros. A imagem em causa cumpre os requisitos da nossa política de publicidade. Já aprovamos a imagem e pedimos desculpa por qualquer ofensa”, disse um porta-voz Facebook em comunicado, citado pela BBC.

As desculpas surgem após a Cherchez La Femme ter efetuado o pedido para um anúncio ao evento, que foi de imediato recusado pelo Facebook que justificou que violava as guias gerais “ao promover uma imagem física idealizada”. Logo depois, a organização exigiu explicações.

“Os anúncios não podem representar um estado de saúde ou de peso corporal completatemente perfeito ou extremamente indesejável. Anúncios como estes não são permitidos, pois fazem os utilizadores sentirem-se mal consigo”, lê-se na resposta do Facebook, que a Cherchez La Femme tornou pública.

E deixou ainda uma sugestão à organização: “recomendamos que usem uma imagem de uma atividade relevante, como a corrida ou a andar de bicicleta”.

Quando recebeu a mensagem, Jessamy Gleeson, uma das responsáveis pela produção do evento, ficou “furiosa” e não compreendeu a razão por trás da decisão. “Pensamos que era horrível... Mulheres com corpos maiores podem, obviamente, ser tão desejáveis como qualquer outra pessoas”, justificou ao “The Guardian”.

Apesar de o Facebook ter recuado na decisão e de se ter desculpado, não é suficiente. A Cherchez La Femme quer ver mudanças nas políticas e critérios da rede social: “Precisam de compreender que podemos usar a imagem de uma mulher gorda para promover mulheres felizes”.