Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Encontrada segunda das 276 alunas de Chibok raptadas há dois anos

  • 333

Lembrar Chibok. CHIBOK Estudantes em Lagos, a capital comercial, marcham pela memória das raparigas raptadas, exigindo que sejam encontradas

Akintunde Akinleye/Reuters

Serah Luka, uma das 276 alunas de um colégio nigeriano que foram raptadas pelos jiadistas do Boko Haram em 2014, estava entre as 97 mulheres e crianças resgatadas pelas tropas em operações contra o grupo terrorista no estado de Borno

Uma segunda menina das 276 crianças e adolescentes do sexo feminino raptadas de um colégio na cidade de Chibok, em abril de 2014, pelos jiadistas do Boko Haram, foi resgatada viva pelo Exército nigeriano numa operação no estado de Borno, dois dias depois de Amina Ali se ter tornado a primeira das meninas a ser encontrada viva.

De acordo com o porta-voz do Exército, o coronel Sani Usman, Serah Luka estava entre as 97 mulheres e crianças resgatadas pelas tropas no noroeste. "Estamos satisfeitos que entre as resgatadas esteja uma menina que cremos ser uma das meninas da escola secundária do governo de Chibok que foram raptadas a 14 de abril de 2014 pelos terroristas do Boko Haram", disse Usman em comunicado. "O nome dela é Serah Luka, e é a número 157 na lista de alunas raptadas. Durante as operações, os soldados mataram 35 terroristas do Boko Haram e recuperaram várias armas e munições e outros itens. Para além disso, resgataram 97 mulheres e crianças feitas reféns pelos terroristas do Boko Haram."

Há um mês, no dia em que se completaram dois anos do rapto das meninas que geraram uma onda de solidariedade mundial sob o mote #bringbackourgirls (#tragam as nossas meninas de volta, numa tradução livre), o Boko Haram divulgou um vídeo onde mostrava dezenas de raparigas com o véu islâmico e onde os pais de algumas das alunas de Chibok puderam comprovar que as filhas ainda estavam vivas.

Na terça-feira passada, a primeira das 276 raparigas levadas da escola durante a madrugada de 14 de abril de 2014 foi encontrada na floresta de Sambisa, perto da fronteira com os Camarões com um bebé de quatro meses nos braços; foi a primeira a ser resgatada com vida desde o rapto. Horas depois de terem sido levadas, um conjunto delas conseguiu escapar, na sua maioria saltando dos camiões onde eram transportadas. Neste momento, restam encontrar 217 delas.