Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Voo MS804 da EgyptAir. Um professor e um estudante de uma academia militar entre as vítimas

  • 333

KHALED DESOUKI/GETTY

Avião despenhou-se com 66 pessoas a bordo. Além da vítima de nacionalidade portuguesa, começam, aos poucos, a conhecer-se as outras histórias de quem deveria chegar ao Cairo

Com a hipótese de atentado a ser admitida como a explicação mais provável para a queda do avião da EgyptAir, esta quinta-feira, começam aos poucos a ser mais conhecidos pormenores sobre os passageiros que seguiam a bordo, com destino ao Cairo.

Além de João Silva, o português de 62 anos que foi já confirmado como uma das vítimas, a embaixada do Chade em Paris adiantou que viajava no aparelho um jovem estudante da academia militar de Saint-Cyr, a caminho de casa para assistir ao funeral da mãe, recentemente falecida.

Outro dos passageiros - um dos 30 egípcios que seguiam a bordo - regressava de uma estadia em França, após realizar um tratamento médico. A identidade do homem não foi revelada, mas dois amigos que se deslocaram entretanto ao aeroporto Charles de Gaulle, em Paris, confirmaram a sua história.

Identificado foi ainda Abdulmohsen al-Muteiri, um cidadão do Kuwait, professor de economia e pai de dois filhos, escreve o “The Guardian”, explicando que al-Muteiri deveria participar numa conferência de três dias, no Cairo.

“Boas condições e comunicações sem problemas

Há, por outro lado, testemunhos entretanto recolhidos que confirmam a ausência de más condições no espaço aéreo onde seguia o voo MS804 da Egyptair.

De acordo como o piloto britânico Alan Carter, citado pela BBC, as condições de voo estavam “perfeitas”. Carter atravessava também a mesma zona sensivelmente na mesma altura que o aparelho que se despenhou, e adiantou também que não detetou qualquer problema com as comunicações.

Uma fonte da aviação civil da Grécia tinha já confirmado que a última comunicação com o piloto do avião da EgyptAir ocorreu três minutos antes de o aparelho se despenhar.
Não foi mencionou nenhum problema nessa última conversa mantida com os controladores aéreos gregos, afirmou a autoridade de aviação civil (Ypa).

“Os controladores comunicaram com o piloto quando o avião estava sobre a ilha de Kea (perto de Atenas), a 37.000 pés. Ele estava de bom humor, agradeceu em grego”, explica o comunicado da Ypa.

Os dados do voo indicam que o aparelho fez duas viragens acentuadas e perdeu altitude antes da queda. Primeiro virou 90 graus para a esquerda, depois desceu dos 37 mil para os 15 mil pés, em seguida virou 360 graus para a direita.

O aparelho fazia a ligação entre Paris e o Cairo com 66 pessoas a bordo, quando, pelas 3h30 (hora de Lisboa), se despenhou a cerca de 130 milhas da ilha de Karphatos.