Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Português que seguia em avião que caiu trabalhava em África para a Mota-Engil

  • 333

CHRISTIAN HARTMANN / Reuters

O passageiro de 62 anos chamava-se João Silva, era casado e tinha quatro filhos. Funcionário da Monta-Engil África, trabalhava em vários países deste continente

Hugo Franco

Hugo Franco

Jornalista

João Silva é o nome da vítima portuguesa que seguia no voo MS804 da EgyptAir, que esta madrugada se terá despenhado em pleno Mediterrâneo, quando fazia a ligação Paris-Cairo. O português tinha 62 anos, era casado e pai de quatro filhos.

Segundo apurou o Expresso, o passageiro era engenheiro civil e trabalhava em vários países africanos há já vários anos. Estaria neste momento a trabalhar em Joanesburgo, na África do Sul. Informações recolhidas por Luís Novais, correspondente do Expresso no Peru, indicam que antes de estar baseado na África do Sul, João David e Silva foi “um dos primeiros gerentes gerais da Mota Engil” naquele país da América do Sul.

Em comunicado, o Grupo Mota-Engil confirma que no voo MS804 entre Paris e a cidade do Cairo do avião da companhia Egypt Air seguia a bordo um cidadão português pertencente aos quadros da Mota-Engil.

"Nesta fase, estamos em permanente contacto com as entidades oficiais portuguesas para obter mais informação sobre o resultado da averiguação que decorre localmente por parte das entidades egípcias e francesas", adiantou o gabinete de comunicação da empresa de construção civil.

O Expresso sabe que a família do cidadão português já foi avisada pelo Governo português.

Este passageiro era uma das 66 pessoas que ia a bordo deste avião, que fazia a rota entre Paris e o Cairo. O voo MS804 partiu do aeroporto Charles de Gaulle às 23h09 locais (menos uma hora em Lisboa), com destino à capital egípcia, e desapareceu dos radares pelas 2h45 locais, dez minutos depois do último contacto dos pilotos.

[notícia atualizada às 13h46]

  • Voo da EgyptAir: famílias aguardam confirmação do pior nos aeroportos de Paris e do Cairo

    A bordo do avião que desapareceu na madrugada desta quinta-feira enquanto sobrevoava o Mediterrâneo, 3h40 depois de ter partido do aeroporto Charles de Gaulle em direção à capital egípcia, seguiam 30 cidadãos egípcios e 15 franceses, para além de um português e de vários outros nacionais. Segundo a companhia aérea, havia duas crianças e um bebé entre os passageiros

  • Aumentam suspeitas de que voo da EgyptAir caiu perto da ilha grega de Karpathos

    Informação está a ser avançada pela AFP, citando uma fonte da Guarda Costeira grega, que foi informada pelo capitão de um navio mercante sobre "uma chama no céu” a sul daquela ilha. Chefes de governo do Egito e de França não excluem, para já, qualquer possibilidade, incluindo a de atentado. O aparelho emitiu um alerta, o que indica que teria um problema técnico. Voo MS804 seguia de Paris para o Cairo com 66 pessoas a bordo, entre os quais um português, cuja identidade ainda não é conhecida

  • Voo MS804 da EgyptAir. Terá sido um atentado?

    Esta é uma de muitas questões relacionadas com o desaparecimento do voo que partiu na noite de quarta-feira do aeroporto Charles de Gaulle em Paris em direção ao Cairo. Primeiro-ministro egípcio não exclui qualquer possibilidade, incluindo a de que o Airbus A320 com 66 pessoas a bordo, incluindo um português, possa ter sido alvo de um ataque terrorista. O capitão de um navio mercante revelou ter visto “uma chama no céu” a cerca de 130 milhas náuticas a sul da ilha grega de Karpathos. Um alerta dado pelo aparelho indica que teria um problema técnico

  • O que já se sabe e o que está por apurar sobre o voo MS804

    Últimas informações avançadas pela companhia dão conta de que um dos aparelhos de emergência do Airbus A320 emitiu um alerta duas horas antes de o voo ter desaparecido dos radares, em rota de Paris para o Cairo com 66 pessoas a bordo, incluindo um cidadão português