Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Protestos no Nepal contra alterações à Constituição

  • 333

PRAKASH MATHEMA/Getty

Milhares de nepaleses de grupos étnicos minoritários protestam desde domingo, nas ruas da capital, contra a nova divisão administrativa prevista na Constituição

Mais de um ano depois do sismo que abalou o Nepal, a situação do país continua muito instável. Os protestos dos partidos da etnia madhesi voltaram às ruas este domingo de Katmandu após cinco meses de manifestações – entre setembro e fevereiro – contra a nova divisão administrativa prevista na Constituição.

As principais ruas da capital nepalesa foram bloqueadas, com os manifestantes a montar barricadas junto ao gabinete do primeiro-ministro, refere “The Himalayan Times”. Exibiram cartazes e gritaram palavras contra as alterações à Constituição. Alguns envolveram-se em confrontos com a polícia. Embora as autoridades garantam que ninguém ficou ferido, a Aliança Federal do Nepal disse que houve pelo menos três manifestantes que estão a receber tratamento médico.

“Depois de reuniões com o Governo, ninguém atendeu às nossas reivindicações. Não tivemos outra hipótese senão protestar”, afirmou o líder da Aliança de partidos madhesi, Upendra Yadav, citado pela agência Efe. A organização considera que o protesto foi um “sucesso”, prolongando-o esta segunda-feira. Segundo Upendra Yadav, os membros da aliança de partidos madhesi vão reunir-se esta tarde para fazerem um balanço da iniciativa e discutirem novas ações de luta. “Se algum incidente desagradável ocorrer enquanto forem travados protestos pacíficos, gostaríamos de avisar que este governo racista é que será o responsável por isso”, alertou.

Entretanto, o Presidente do Congresso nepalês, Sher Bahadur Deuba, apelou ao consenso entre os partidos, alertando para o riscos para a democracia. Também o vice primeiro-ministro, Bijay Kumar Gachhadar, defendeu a necessidade de todas as forças políticas se entenderem em nome do interesse nacional. “Através do diálogo tudo se resolve”, afirmou Gachhadar, citado pelo “Nepali Times”.

As forças políticas da etnia madhesi, do sul do Nepal, queixam-se que os seus direitos são discriminados na Constituição e exigem que esta seja alterada. Nos protestos que se estenderam por cinco meses, até fevereiro, mais de 50 pessoas morreram, quando foi bloqueada a fronteira com a Índia. A economia débil do país tem-se revelado incapaz de ajudar o Governo a reconstruir o país, após o sismo de 7,8 que no dia 25 de abril de 2015 causou mais de 8 mil mortos e milhares de desalojados.