Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Neto de Churchill critica “ginástica desonesta” de Boris Johnson

  • 333

Nicholas Soames

Getty

Para o deputado Nicholas Soames, a postura do ex-autarca de Londres quanto à parceria comercial transatlântica entre a União Europeia e os Estados Unidos demonstra a “completa falta de coerência e credibilidade” do maior defensor do Brexit

As cisões dentro do Partido Conservador britânico alumiadas pelas atuais e futuras relações do Reino Unido com a União Europeia continuam a aumentar e ganharam um novo protagonista: sir Nicholas Soames, deputado do partido e neto de Winston Churchill, que esta segunda-feira teceu duras críticas a Boris Jonhson pelo que classifica de "ginástica fundamentalmente desonesta" do ex-autarca de Londres e defensor maior da saída da UE.

A crítica de Soames tem por base um artigo de opinião que Johnson publicou no "Daily Telegraph" em 2014, onde o pretenso candidato a primeiro-ministro dizia que a Parceria Transatlântica de Comércio e Investimento (TTIP) é brilhante "à maneira de Churchill", um "grande projeto" que "tem tudo a ver com comércio livre e que irá aproximar a Grã-Bretanha e a Europa da América".

"Não há absolutamente nada a desgostar no TTIP", sublinhou ainda Johnson nesse artigo, dizendo que só "ativistas miseráveis de esquerda e anti-globalização" é que se opõem a ele.

Dois anos depois, e com a convocatória de um referendo sobre a permanência do Reino Unido na UE, marcado para 23 de junho, o agora ex-autarca da capital londrina tem uma postura diferente, sendo um dos maiores críticos de tudo o que tem a ver com o bloco dos 28, incluindo o TTIP.

Num discurso a favor do Brexit que proferiu na semana passada, o político conservador criticou a lentidão na aprovação de tratados como esse pela necessidade de se alcançar consensos entre os 28 Estados-membros da UE, declarando: "Sobre o argumento de que precisamos de pertencer à UE para firmar acordos de comércio eu digo que os resultados de 42 anos de integração só levaram a UE a concluir acordos com a Autoridade Palestiniana e com San Marino. Bravo. Falhámos em concluir acordos com a Índia, a China ou até com a América", acrescentou. "Porquê? Porque negociar em nome da UE é como tentar domar um cavalo pantomineiro, com 28 pessoas cegas a puxarem-no em diferentes direções."

Em declarações ao "Observer", sir Nicholas Soames fala numa "atitute típica" de Johnson, em linha com as suas "inconsistências regulares". "Este é só mais um exemplo da completa falta de credibilidade e coerência de Boris sobre esta importante transação", defende o europeísta. "As pessoas simplesmente não vão compreender esta sua ginástica fundamentalmente desonesta."

Ao mesmo jornal, fontes próximas de Johnson dizem que, em privado, o líder da barricada Brexit e aspirante ao lugar de David Cameron continua a defender o TTIP, mas que publicamente quer que as pessoas entendam que esse acordo deve ser negociado diretamente entre o Reino Unido e a os EUA, sem o envolvimento de Bruxelas.

"O que ele está a atacar é o facto de os interesses dos Estados-membros prevenirem qualquer progresso no acordo", diz uma das fontes consultadas. "Se o Reino Unido votar pela saída da UE, podemos fazer o nosso próprio acordo com os EUA sem qualquer interferência de outros Estados."

  • Boris Johnson compara UE à Alemanha de Hitler

    O antigo mayor de Londres, e um dos maiores defensores do Brexit, afirmou este domingo que os burocratas em Bruxelas perseguem o mesmo objetivo que o ditador nazi – o de unificar a Europa sob uma “autoridade” –, ainda que com “diferentes métodos”