Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Clooney culpa televisões pelo êxito de Trump

  • 333

Getty

Ator aproveitou a conferência de imprensa de apresentação do filme “Money Monster” no Festival de Cannes para dizer que Donald Trump não chegará a presidente do seu país, acusando os canais televisivos por a situação ter chegado a este ponto

“Não vai haver um presidente Donald Trump. Isso não vai acontecer”, afirmou George Clooney durante uma conferência de imprensa no Festival de Cannes.

Apesar da conferência ser destinada à apresentação “Money Monster”, o novo filme de Jodie Foster, em que Clooney contracena com Julia Roberts (estreou quinta-feira em Portugal), o ator acabou por tecer comentários relativamente à sua firme posição relativamente às presidenciais norte-americanas.

“O medo não vai reger o nosso país. Nós não temos medo dos muçulmanos ou dos imigrantes ou das mulheres. Nós não vamos ter medo de nada”, disse, justificando a sua convicção de que o candidato que ficou isolado nas primárias no Partido Republicano não irá vencer as eleições.

Clooney e a sua mulher Amal Clooney, advogada defensora dos direitos humanos, apoiam a candidata democrata Hillary Clintom, para a qual organizaram inclusive uma ação de recolha de donativos em Hollywood este ano.

O ator teceu diversas críticas aos canais televisivos, que considera terem contribuído grandemente para o êxito do candidato republicano. “Trump é na verdade em muitas formas o resultado do facto de muitos dos programas noticiosos não terem feito acompanhamento dos assuntos e nem colocarem as questões difíceis. Essa é a verdade”, afirmou, considerando que dentro da lógica das audiências, as TV limitaram-se a seguir os números.

“Todos estes números dos canais de noticias por cabo. Vinte e quatro horas de notícias não significa ter mais notícias, significa apenas ter-se mais das mesmas notícias. As audiências sobem porque estes gajos podem mostrar um pódio vazio e dizer apenas que o Donald Trump está prestes a falar em lugar de aproveitarem esses 30 segundos para falarem dos refugiados.”