Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Temer tomou posse: “É necessário resgatar a credibilidade do Brasil”

  • 333

Antonio Lacerda/EPA

“A partir de agora não podemos mais falar em crise”. Após ter sido empossado como presidente interino – juntamente com os restantes ministros -, Michael Temer fez o primeiro discurso. Falou sobre pacificação da nação, crescimento económico, programas sociais e, claro, de Dilma

Michel Temer já é oficialmente o presidente interino do Brasil. Depois do afastamento de Dilma Rousseff e da constituição de um novo Governo, foi a vez de tomar posse. No primeiro discurso como máximo representante político dos brasileiros, Temer defendeu que o país precisa de voltar a ser credível e que é necessário inverter a situação económica.

“Temos a absoluta convicção de que é necessário resgatar a credibilidade do Brasil. É urgente pacificarmos a nação. É urgente fazermos um governo de salvação nacional”, disse Temer. “O nosso lema é ordem e progresso. A expressão da bandeira não poderia ser mais atual, como se hoje tivesse sido redigida. A partir de agora não podemos mais falar em crise. Trabalharemos. Quero ver se consigo espalhar esta frase em outdoors pelo Brasil, porque isso cria um clima de otimismo", acrescentou.

Foram poucas (ou nenhumas) as medidas concretas enumeradas. Mas deixou bem definidos os desafios que o país tem à frente: diminuir o desemprego, incentivar as parcerias público-privadas, manter diversos programas sociais e o crescimento da economia.

“O maior desafio é estancar o processo de queda livre da atividade económica. A primeira medida já foi tomada, ao eliminar vários ministérios. Quanto mais cedo formos capazes de equilibrar as contas públicas, mais rapidamente retomamos o crescimento”, afirmou o presidente interino.

Temer apelou ainda ao apoio da classe política, do congresso e da população brasileira, garantido que não procura a “unanimidade” do Brasil, mas o “diálogo e o entendimento”.

“É o presente e o futuro que nos desafiam, e não podemos olhar para frente com os olhos de ontem. Temos pouco tempo, mas se nos esforçarmos é o suficiente para fazermos as reformas que o Brasil precisa”, disse Michel Temer.

E ainda falou da presidente suspensa, que ao longo dos próximos seis meses será julgada: “Declaro meu profundo respeito institucional à presidente Dilma Rousseff”.

O processo de destituição de Dilma Rousseff foi aprovado esta quinta-feira no Senado, com 55 votos a favor e 22 contra. A Presidente brasileira será afastada do cargo por 180 dias, tendo que responder perante a Justiça. Se for considerada inocente, poderá regressar à Presidência.

Texto atualizado às 23h49

  • Dilma perdeu para os homens de terno

    Antes mesmo de ser afastada do poder, rituais de Brasília abandonaram a presidente à solidão dos derrotados. Presidente brasileira já estava derrotada antes da votação desta quinta-feira

  • Dilma: “Vamos vencer o golpe”

    Numa declaração ao país, Dilma Rousseff disse esta quinta-feira ser vítima de uma “farsa jurídica e política” e de uma “injustiça”, considerando que o processo de destituição aprovado de manhã no Senado é um “verdadeiro golpe” que ameaça a democracia. “Mas eu não esmoreço, vamos vencer”, garante