Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Níveis de poluição atmosférica estão a aumentar “a uma velocidade assustadora”

  • 333

Onitsha, uma cidade do sudeste nigeriano em rápido crescimento, é atualmente a cidade mais poluída do mundo

PIUS UTOMI EKPEI

Organização Mundial de Saúde diz que poluição do ar nas maiores cidades do mundo aumentou 8% desde 2011, sobretudo em centros urbanos de economias emergentes e países em desenvolvimento

A poluição atmosférica aumentou 8% a nível global nos últimos cinco anos, havendo neste momento milhares de milhões de pessoas em todo o mundo expostas a níveis perigosos de dióxido de carbono. A conclusão é de um estudo abrangente divulgado esta quinta-feira, em que a Organização Mundial de Saúde (OMS) analisa os níveis de poluição do ar em mais de três mil cidades mundiais.

Apesar de todas as regiões do globo terem sido afetadas pelo aumento da poluição atmosférica, cidades do Médio Oriente, do Sudeste Asiático e do Pacífico Ocidental são as mais afetadas, com a investigação a mostrar que nesses centros urbanos em rápido crescimento os níveis de poluição do ar situam-se entre cinco a dez vezes acima dos recomendados pela OMS.

De acordo com a base de dados da organização, os níveis de partículas ultrafinas de produtos tóxicos libertados para a atmosfera são mais altos na Índia, onde neste momento se situam 16 das 30 cidades mais poluídas do mundo. Na China, a qualidade do ar melhorou desde 2011, havendo agora apenas cinco cidades do país incluídas na mesma lista. Nove outros países, incluindo o Paquistão e o Irão, têm uma cidade entre as 30 mais afetadas pela poluição atmosférica. Neste momento, aponta o estudo, a cidade mais poluída do mundo é Onitsha, no sudeste da Nigéria, onde os níveis de poluição estão 20 vezes acima do recomendado pela OMS.

"Temos uma emergência de saúde pública em vários países. A poluição do ar em centros urbanos continua a aumentar a um nível assustador, devastando a saúde humana", diz ao "The Guardian" Maria Neira, responsável pelo departamento de saúde pública da OMS. "É dramático e é um dos maiores problemas que enfrentamos a nível global, com custos terríveis para a sociedade no futuro. O custo para os países é enorme. A poluição atmosférica afeta as economias e a qualidade de vida das pessoas, conduzindo a graves doenças crónicas que, em última instância, provocam a morte."