Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Foto de vítima dos saltos altos torna-se viral

  • 333

A imagem mostra os pés ensanguentados de uma empregada de mesa, após as oito horas que tem de trabalhar diariamente de saltos altos. Entretanto, a petição lançada no Reino Unido para que seja proibido as empresas obrigarem as suas funcionárias a andarem de saltos já obteve as assinaturas suficientes para que a proposta chegue ao parlamento britânico

Em cerca de uma semana foi partilhada cerca de 12 mil vezes a fotografia que mostra o estado em que ficaram os pés de uma empregada de mesa do Canadá, após as oito horas de trabalho diário que tem de efetuar de sapatos de salto alto calçados.

Nicola Gavins partilhou no Facebook a imagem dos pés ensanguentados de uma amiga, para alertar os clientes do restaurante em questão do facto de obrigarem as suas funcionárias a andarem de saltos altos e a comprarem um uniforme por cerca de 20 euros, enquanto os funcionários podem recorrer às suas próprias roupas, desde que se apresentem de preto. “Sexista, arcaica e totalmente nojenta”, é o modo como Nicola qualifica as regras que o restaurante impõe às suas funcionárias.

O caso ganhou esta quinta-feira destaque nos mass media do Reino Unido, em sequência de uma outra história, a da denúncia efetuada por uma inglesa que se recusou a usar saltos altos para trabalhar como rececionista para uma conhecida empresa do setor financeiro de Londres. A denúncia foi acompanhada pelo lançamento de uma petição para que seja debatido no parlamento britânico uma proposta para passe a ser proibido as empresas obrigarem as suas funcionárias a andarem de saltos altos. O documento foi lançado na segunda-feira e já obteve entretanto as 100 mil assinaturas necessárias para chegar ao parlamento.

  • Disseram-lhe que tinha de ir comprar sapatos de salto alto para trabalhar como rececionista de uma financeira em Londres. Considerou tratar-se de uma discriminação, pois aos homens não era imposto o mesmo. Responderam-lhe que eles não estão habituados a andar de saltos. Contra-argumentou que ela também não