Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Panama Papers. Emma Watson diz que offshore foi criada apenas para garantir privacidade

  • 333

GERARD JULIEN/GETTY

O nome da atriz é um dos mais recentes a saltar para as páginas dos jornais a propósito da investigação, estando em causa a criação de uma empresa nas Ilhas Virgens Britânicas, através da qual comprou uma casa multimilionária

Um dos nomes mais recentes a ser associado ao caso dos Panama Papers, a atriz Emma Watson já tornou pública uma reação, negando ter usufruído de qualquer vantagem monetária ou benefício fiscal pelo facto de ter criado uma empresa “offshore” nas Ilhas Virgens Britânicas.

Numa nota enviada ao jornal “Spectator”, os representantes da jovem atriz garantem que a decisão apenas teve em conta o seu desejo de garantir os direitos ao anonimato e privacidade.

Em causa, diz o “Telegraph”, está a compra de uma casa multimilionária em Londres, negócio que foi concretizado através da referida empresa “offshore” e apenas um mês após a sua criação.

“As empresas britânicas são obrigadas a divulgar detalhes sobre os seus acionistas e não permitem o anonimato necessário para proteger a segurança pessoal” dos visados, justificou o porta-voz de Watson.

A atriz, que ganhou visibilidade na saga “Harry Potter” e que atualmente resolveu fazer uma pausa na representação, é apenas mais um nome a somar à vasta lista de personalidades mencionadas nos Panama Papers, a investigação levada a cabo pelo Consórcio Internacional de Jornalistas, a partir da fuga de informação que permitiu o acesso a mais de 11 milhões de documentos do escritório de advogados Mossak Fonseca.