Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Novo mayor de Londres diz que caso Trump vença deixará de poder ir aos EUA

  • 333

HANNAH MCKAY/REUTERS

A “Time” entrevistou aquele que se tornou no passado fim de semana no mais poderoso político muçulmano europeu

Sadiq Khan, de 45 anos, diz que esperar que a sua eleição como o novo mayor de Londres sirva como um “antídoto” contra o extremismo. Um dia depois da vitória, aquele que passou a ser o mais poderoso político muçulmano europeu deu no domingo uma entrevista à revista “Time”.

“O que eu acho que esta eleição mostrou é que na verdade não existe nenhum confronto de civilizações entre o Islão e o Ocidente. Eu sou o Ocidente, eu sou um londrino, eu sou britânico, eu sou da fé islâmica, de origem asiática, de ascendência paquistanesa, então se (o autodenominado Estado Islâmico) ou estes outros queiram destruir o nosso modo de vida e falarem sobre o Ocidente, eles estão a falar sobre mim. Que melhor antidoto contra o ódio que eles lançam do que alguém como eu chegar a esta posição?”, afirmou.

Questionado sobre o discurso de ódio contra os muçulmanos do candidato que está isolado nas primárias para o Partido Republicano, Sadiq diz que gostaria de ir aos Estados Unidos para debater ideias com os autarcas de Nova Iorque e de Chicago, mas que caso Donald Trump venha a ser eleito Presidente deixará de o poder fazer. “Se Donald Trump se tornar o Presidente eu serei impedido de lá ir em virtude da minha fé”. O autarca londrino mostra-se contudo “confiante” de que a perspectiva política de Trump não venha a ganhar na América.

Relativamente há hipótese da saída do Reino Unido da União Europeia (UE), o novo mayor de Londres diz que tal seria “catastrófico” para a cidade: “O Produto Interno Bruto da UE é maior do que o da China, mais do que o dos Estados Unidos. Nós temos um mercado de 500 milhões de pessoas na UE. Eles não são apenas um mercado, eles são nosso primos. Se olharmos para Londres, há enormes benefícios sociais, enormes benefícios culturais, enormes benefícios para a nossa segurança, mas os benefícíos económicos são gigantescos”.