Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Ignorada a anulação da destituição de Dilma

Renan Calheiros, presidente do Senado Federal do Brasil

EVARISTO SA/ Getty Images

Confuso? Até os próprios brasileiros estão. O presidente do Senado vai ignorar a decisão de Waldir Maranhão (PP) , que anulou a votação dos deputados, e mantém o processo de impeachment da Presidente do Brasil

Afinal, o processo de destituição de Dilma Rousseff deve continuar e deve ser votado no Senado dentro de dois dias. Pelo menos é isto que Renan Calheiros, presidente do Senado Federal do Brasil, quer fazer. O senador anunciou que vai ignorar a decisão de Waldir Maranhão, que esta segunda-feira anulou a votação da Câmara dos Deputados (realizada a 17 de abril e que aprovou a continuidade do processo de impeachment).

Após anunciar que não aceita a argumentação de Maranhão, Calheiros considerou a anulação da votação da Câmara dos deputados como “absolutamente intempestiva” e confirmou que dará seguimento à leitura parecer aprovado na Comissão do Impeachment na semana passada, que recomenda o afastamento da presidente Dilma Rousseff.

O presidente interino da câmara baixa do Parlamento aceitou o pedido feito pelo advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo, responsável pela defesa da Presidente e decidiu anular a votação de 17 de abril. Na altura, com declarações de voto por Deus e a família até ao elogio do torturador de Dilma, uma maioria de 367 deputados aprovou o envio para o Senado da destituição de Dilma.

A votação do processo está marcada para esta quarta-feira em plenário e caso uma maioria simples dos 81 senadores o aprove, a Presidente será automaticamente suspensa de funções por seis meses e substituída pelo vice-presidente Michel Temer.

Waldir Maranhão tem uma conferência de imprensa marcada para as 18h (22h em Lisboa), para justificar os motivos que o levaram a anular votação da Câmara dos Deputados.

  • Destituição de Dilma volta à estaca zero

    O presidente interino da Câmara dos Deputados, Waldir Maranhão (PP) anulou a votação que enviou para o Senado a destituição de Dilma Rousseff. Cinco dias depois de o processo regressar à câmara baixa do parlamento, os 513 deputados vão repetir a votação