Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

O misterioso caso das “crianças solares”

  • 333

Shoaib Ahmed, 13 anos, e o Abdul Rasheed, 9 anos, com o pai

T. MUGHAL/ Reuters

De dia são crianças normais. Assim que o sol se põe no horizonte, transformam-se em vegetais: não se mexem, não falam nem comem. Para os médicos este “é um desafio” para o qual ainda não têm resposta

Correm, brincam, saltam, falam, comem... mas só durante o dia. Shoaib Ahmed, 13 anos, e o Abdul Rasheed, 9 anos, são dois irmãos de uma vila paquistanesa que à luz do sol fazem todas as coisas normais de uma criança. Quando o dia acaba, tudo muda. Depois de o último raio de sol se esconder atrás do horizonte, os meninos mudam drasticamente: ficam em estado catatónico. Já lhes chamam as “crianças solares”.

Mas por que motivo é que isto acontece? O pai dos dois rapazes, Mohammad Hashim, tem uma simples teoria: “Acho que os meus filhos recebem energia do sol”.

Segundo esta teoria, sem sol os meninos não teriam energia. E, por mais estranho que pareça, é isso que acontece. Não se mexem, o corpo fica rígido, não falam, não comem, não abrem os olhos. Não fazem nada.

A nível científico, não existe (ainda) uma explicação. Os médicos do Instituto de Ciências Médicas do Paquistão aceitaram observar e estudar o caso mas, neste momento, não fazem a mais pequena ideia do que pode estar a causar este comportamento. Mas têm a certeza de que o sol não tem nada que ver com o assunto.

“Aceitamos este caso como um desafio. Os nossos médicos estão a fazer testes e análises para determinar o porquê destes miúdos se manterem ativos durante o dia mas não conseguem abrir os olhos, falar ou comer quando fica de noite”, diz Javed Akram, um dos investigadores responsáveis, citado pela Associated Press.

A história é tão surpreendente que o governo do Paquistão disponibilizou cuidados médicos gratuitos para ambos os irmãos. Atualmente, os dois meninos estão na capital paquistanesa, Islamabad, onde estão a ser submetidos a uma série de exames. Além das crianças, estão ainda a ser estudadas amostras de ar e terra da aldeia onde vivem.

O pai e a mãe de Shoaib e Abdul são primos em primeiro grau e tiveram seis filhos. Dois são “as crianças solares”, dois morreram ainda em bebés e outros não mostram qualquer sintoma.