Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Garganta funda do Panama Papers publica manifesto de 1800 palavras

  • 333

No texto, divulgado esta sexta-feira, lamenta que tanto debate tenha resultado até agora em tão pouca ação por parte dos Estados

John Doe, nome de código, a fonte de informação que retirou 11, 5 milhões de documentos dos servidores do escritório de advogados panamiano Mossack Fonseca, explicou esta sexta-feira por que razão decidiu fazê-lo. Sem revelar a identidade, o ‘garganta funda’ assegura que não é um espião nem está a soldo de nenhum governo e lamenta que tanto debate tenha resultado, até agora, em tão pouca ação.

Num manifesto com 1800 palavras, Doe, continuemos a chamar-lhe assim, escreve: “As empresas fictícias estão frequentemente associadas a crimes de evasão fiscal. Mas o Panama Papers revelou que, mesmo assim, não são ilegais, ainda que sejam usadas para a prática de uma panóplia de crimes graves”.

“O discurso mediático focou-se naquilo que é legal e permitido pelo sistema. O que é permitido é que na verdade é escandaloso e tem de ser mudado”, acrescenta a mesma fonte num documento divulgado a uma semana do arranque da cimeira anticorrupção de Londres, patrocinada pelo primeiro-ministro britânico, David Cameron, um dos políticos visados pela investigação e na qual são esperados mais de 40 países.

A 10 de abril, David Cameron tornou-se o primeiro chefe de um Governo do Reino Unido a publicar as declarações de impostos, para diluir a controvérsia ligada ao seu envolvimento neste escândalo. No meio de forte pressão política e mediática, Cameron apresentou os dados fiscais pormenorizados correspondentes aos anos entre 2009 e 2015 após ter sido conhecido, a partir dos documentos da Mossack Fonseca, que acabou beneficiado num investimento feito pelo seu pai, Ian, falecido em 2010, num paraíso fiscal nas Bahamas.

No dia seguinte Cameron aunciou no Parlamento de Westminster que a maioria das dependências da Coroa Britânica - incluindo as ilhas Caimão e Virgens, consideradas paraísos fiscais -, deverão a partir de agora partilhar as suas informações fiscais com Londres. “Pela primeira vez, a polícia e as autoridades estarão em condições de ver com exatidão quem detém realmente e controla as empresas registadas nesses territórios”, disse o chefe do executivo britânico.

O denunciante do caso Panama Papers contactou, no ano passado, o jornalista Bastian Obermayer do jornal alemão “Süddeutsche Zeitung”. Na mensagem que então lhe enviou onde perguntava: “Interessado em informação secreta?”, identificou-se como John Doe.

Bastian Obermayer teve então acesso a documentos obtidos por via de uma conexão em tempo real à base de dados central da Mossack Fonsecca. Nesses documentos constavam os nomes dos beneficiários das empresas fictícias sedeadas em paraísos fiscais, cópias de passaportes e mensagem de correio eletrónico.

O jornal alemão decidiu partilhar essa informação com o Consórcio Internacional de Jornalismo de Investigação em Washington, EUA. Para a próxima segunda feira, dia 9 de maio, está previsto que parte dos dados dos Panama Papers seja divulgada publicada, podendo ser acedida através do site do Consórcio.

O acesso poderá ser feito a partir das 17h (hora de Portugal Continental) e a base de dados interativa “incluirá também informação sobre mais 100 mil companhias que fizeram parte da investigação do Consórcio, em 2013, sobre os 'Offshore' Leaks'”.