Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Situação em Daraya é "horrenda", população não recebe ajuda desde 2012

Há pelo menos quatro mil pessoas sitiadas em Daraya, onde último carregamento de ajuda humanitária chegou em novembro de 2012

AFP

Alerta foi feito esta quarta-feira de manhã pelo coordenador de respostas de emergência da ONU, Stephen O'Brien, que acusa o Governo sírio de ignorar "inúmeros" pedidos para que seja possibilitada a entrega de ajuda humanitária

Há mais de quatro mil pessoas sitiadas em Daraya, uma cidade a sul de Damasco, onde o último carregamento de ajuda humanitária chegou em novembro de 2012. Neste momento, alerta a ONU, há falta de comida, medicamentos e água limpa — uma situação "horrenda" que investigadores da organização conseguiram comprovar no início do mês durante uma curta trégua humanitária na guerra civil de cinco anos e meio.

Em Genebra esta quarta-feira de manhã, o coordenador da ONU para respostas de emergência alertou que a situação na cidade síria está a degradar-se rapidamente e acusou o regime de Bashar al-Assad de ignorar "inúmeros" pedidos da organização para que seja garantida passagem de e para a cidade, a fim de fazer chegar à população cercada ajuda urgente.

"Vamos continuar a pressionar as autoridades sírias sem descanso para que possamos ter garantido acesso seguro e sem entraves até Daraya", declarou aos jornalistas Stephen O'Brien.

Durante o frágil cessar-fogo acordado entre Damasco e grupos rebeldes da oposição, a ONU conseguiu distribuir ajuda humanitária a 12 das 18 áreas sitiadas onde se sabia que a situação exigia respostas mais urgentes. Em Rastan, a última dessas cidades a que equipas da ONU conseguiram aceder, os 120 mil habitantes não recebiam ajuda humanitária há mais de um ano.

Neste momento, e de acordo com estimativas da organização, quase meio milhão de pessoas estão a viver sob cerco na Síria. Na semana passada, cerca de 500 feridos foram retirados de quatro cidades sitiadas, no que foi descrito como a maior operação humanitária desta natureza nos mais de cinco anos de conflito.