Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Extrema-direita à frente na primeira volta das presidenciais austríacas

  • 333

Norbert Hofer, do FPÖ, obteve 36,4% dos votos

FILIP SINGER/EPA

Norbert Hofer, do FPÖ, obteve 36,4% dos votos. O candidato social-democrata Rudolf Hundstorfer (SPÖ) e o conservador Andreas Khol (ÖVP) ficaram afastados da segunda volta

O candidato da extrema-direita foi o mais votado na primeira volta das presidenciais na Áustria e os candidatos dos partidos social-democrata e conservador, que integram uma coligação governamental desde 2008, ficaram afastados da segunda volta.

O candidato do partido FPÖ, Norbert Hofer, obteve 36,4% dos votos, o melhor resultado desta formação em eleições nacionais, de acordo com resultados oficiais.

O ecologista Alexander Van der Bellen deverá disputar com Hofer a segunda volta das eleições a 22 de maio, depois de ter ficado em segundo lugar com 20,4% dos votos, à frente da candidata independente Irmgard Griss (18,5%).

O candidato social-democrata Rudolf Hundstorfer (SPÖ) e o conservador Andreas Khol (ÖVP) ficaram afastados da segunda volta, cada um com 11,2%.

“É um resultado histórico, que reflete as qualidades de Norbert Hofer, mas também a profunda insatisfação em relação ao Governo”, afirmou o líder do FPÖ, Heinz-Christian Strache, em declarações na televisão pública ORF.

Em França, a presidente da Frente Nacional, Marine Le Pen, apontada como favorita para as presidenciais de 2017, saudou o “resultado magnífico”, numa mensagem na rede social Twitter e elogiou o povo austríaco.

O resultado acaba por ser um revés para o chanceler Werner Faymann (SPÖ) e para o vice-chanceler Reinhold Mitterlehner (ÖVP), com mandatos até 2018.

Estes dois partidos têm controlado a Presidência desde a Segunda Guerra Mundial, com a eleição de candidatos próprios ou com o apoio a uma figura independente.

O Presidente austríaco é eleito para um mandato de seis anos, pode recandidatar-se uma vez e não tem poderes executivos, mas pode dissolver o Parlamento em determinadas circunstâncias, nomeia o chanceler e chefia as forças armadas.

Cerca de 10% dos eleitores pediram para votar por correspondência e os resultados oficiais definitivos desta primeira volta só serão conhecidos a partir de segunda-feira à noite.