Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Canadá apresenta plano para legalizar venda e consumo de marijuana em 2017

  • 333

ALFREDO ESTRELLA / AFP / Getty Images

Promessa de campanha do primeiro-ministro Justin Trudeau avança no próximo ano. Se for aprovada, tornará o Canadá o primeiro grande país do Ocidente a legalizar a droga leve para fins recreativos

A data para o anúncio terá sido escolhida a dedo, ou não fosse o dia 20 de abril – ou 4/20 – uma espécie de feriado não-oficial entre os defensores da canábis legal. Foi na noite desta quarta-feira que o governo canadiano apresentou os planos para legalizar a venda e o consumo de marijuana, uma proposta de lei que será introduzida para votação no Parlamento no próximo ano, A ser aprovada, fará do Canadá o primeiro grande país do Ocidente a permitir o consumo e venda da droga leve para qualquer fim e não exclusivamente para fins medicinais.

Falando aos jornalistas em conferência de imprensa, a ministra canadiana da Saúde Jane Philpott prometeu manter a marijuana "fora das mãos das crianças e os lucros fora das mãos de criminosos", enquanto centenas de defensores da medida se manifestavam frente ao Parlamento, em Ottawa.

O uso de marijuana para fins medicinais já é legal no Canadá e muitos defendem que legalizar a sua posse, venda e consumo para fins recreativos irá, entre outras coisas, libertar o sistema de justiça criminal do país.

"Vamos trabalhar com parceiros de todos os sectores de aplicação da lei para encorajar medidas legais apropriadas, sabemos que é impossível resolver este problema a prender pessoas", declarou Philpott.

Bill Blair, antigo chefe da polícia de Toronto, já foi nomeado pelo governo de Trudeau para supervisionar e liderar os esforços de legalização da canábis. "Desta forma controlamos quem vende, quando é vendida e como é usada", diz Blair, defendendo regulações semelhantes às do álcool. "O crime organizado não terá oportunidade de lucrar com ela."

Blair sublinhou ainda que a posse e venda da droga leve sem receita médica continuará a ser ilegal até que o novo projeto-lei esteja pronto a ser debatido e votado. Philpott diz que os pormenores dessa proposta ainda estão a ser ultimados, não tendo avançado para já uma data para os revelar.