Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

França estende estado de emergência por mais dois meses

  • 333

STEPHANE DE SAKUTIN / AFP / Getty Images

“O estado de emergência não pode ser permanente, mas devemos garantir plenamente a segurança dos grandes acontecimentos”, defende o primeiro-ministro Manuel Valls, numa alusão ao Europeu de futebol e ao Tour, que decorrem em julho

O Governo francês vai propor ao Parlamento prolongar por dois meses o estado de emergência instaurado após os atentados de 13 de novembro, de modo a cobrir o período do Euro 2016, anunciou esta manhã o primeiro-ministro Manuel Valls.

Este regime de exceção, decretado após os atentados terroristas em Paris, já tinha sido prolongado em fevereiro por três meses, até 26 de maio.

O Governo quer agora estendê-lo até ao fim de julho de modo a abranger o Campeonato Europeu de Futebol de 2016, que se realiza em França de 10 de junho a 10 de julho.

"O estado de emergência não pode ser permanente, mas devemos garantir plenamente a segurança dos grandes acontecimentos", disse Valls à emissora France Info, referindo-se ao Europeu de futebol mas também ao Tour de França, que decorre igualmente em julho.

O primeiro-ministro francês sublinhou que o Euro 2016 "deve celebrar-se com toda a segurança e ao mesmo tempo ser uma festa, com os estádios e as zonas para fãs cheios".

Valls assinalou que o titular da pasta da Administração Interna, Bernard Cazeneuve, apresentará a medida esta quarta-feira no Conselho de Ministros francês, que será transmitida em seguida ao Conselho de Estado, a instância administrativa máxima de França, e por fim ao Parlamento para ser votada.

O estado de emergência, que reforça as medidas de segurança, foi decretado após os atentados de novembro em Paris em que 130 pessoas morreram e 300 ficaram feridas.

Os dois anteriores prolongamentos foram criticados por organismos como o Conselho da Europa, que considera que este dispositivo teve efeitos concretos "relativamente limitados" na luta contra o terrorismo, mas restringiu "fortemente" o exercício das liberdades fundamentais.