Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

O raro consenso entre apoiantes e opositores de Dilma: ninguém quer Michel Temer

  • 333

EVARISTO SA/GETTY

Inquéritos levados a cabo pelo Datafolha na Avenida Paulista – onde este domingo estiveram concentrados os opositores de Dilma Rousseff – e no vale de Anhangabaú – onde 42 mil se manifestaram em apoio à Presidente – mostram que a população do estado está unida contra o vice-presidente e também contra Eduardo Cunha, o líder da Câmara dos Deputados

Na noite deste domingo, a revista "Época" sublinhou que Michel Temer, que acompanhou todo o debate e votação à destituição de Dilma Rousseff a partir do Palácio do Jaburu (residência oficial da vice-presidência), começou a receber visitantes ainda o voto número 342 não tinha sido garantido na câmara baixa do Congresso.

Os líderes do movimento para afastar Dilma Rousseff da presidência precisavam desse número mínimo de votos dentro da Câmara dos Deputados para fazer o processo chegar ao Senado e, eventualmente, confirmar o fim precoce do governo do Partido dos Trabalhadores (PT). Conseguiram mais 23 votos do que o necessário mas isso ainda não estava confirmado quando o vice-presidente começou a receber apoiantes e amigos.

De acordo com a sua assessoria, Temer não vai falar publicamente esta segunda-feira sobre o resultado da votação, preferindo esperar pela segunda fase do processo na câmara alta do Congresso, que ainda não tem data marcada. Estará porventura à espera de perceber se dentro dessa câmara será igualmente simples reunir o mínimo de votos necessários para garantir o afastamento de Dilma e assim se tornar Presidente do Brasil. Mas segundo uma sondagem avançada esta segunda-feira pela "Folha de São Paulo", ninguém o quer lá.

De acordo com o inquérito do Datafolha, a oposição a uma presidência Temer "une os movimentos favoráveis e contrários ao impeachment" de Dilma. Na avenida Paulista, onde este domingo houve protestos contra Dilma, 54% dos manifestantes disseram apoiar igualmente a destituição do vice-presidente – com 68% a dizerem que a gestão de um eventual governo Temer será "regular ou ruim/péssima".

No vale do Anhangabaú, no centro de São Paulo, entre os cerca de 42 mil apoiantes de Dilma e do PT que acompanharam a votação em direto no domingo, a avaliação de Temer foi, sem surpresas, ainda pior – com 79% a defenderem que o vice-presidente também tem de ser afastado e 88% a considerarem que, se ele passar a liderar o governo, a sua gestão do Brasil será "ruim/péssima".

Os resultados têm por base inquéritos a 1147 pessoas na Paulista e a 2078 do lado dos apoiantes de Dilma, com uma margem de erro de três pontos percentuais. De acordo com essa mesma sondagem, os apoiantes e opositores do atual governo também estão unidos contra o presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha, do PMDB tal como Temer. Na Paulista, 87% dos inquiridos consideraram que Cunha, um dos principais réus no Supremo Tribunal por suspeitas de corrupção e lavagem de dinheiro no caso LavaJato, deve ser afastado de imediato; no Anhangabaú, 94% disseram ser favoráveis ao afastamento do congressista.