Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Como uma pizza tramou um chefe da máfia italiana

  • 333

MARIO LAPORTA/AFP/GETTY IMAGES

Em Nápoles, no sul da Itália, dois polícias disfarçaram-se de entregadores de pizzas. E foi assim que conseguiram prender Roberto Manganiello, um dos chefes da Camorra e “um dos 100 criminosos mais perigosos do país”

Aviso prévio: não encontrará história mais italiana que esta. Máfia, pizza, futebol: pense em todos os estereótipos que conhece e o mais certo é que os leia por aqui, num dos casos mais insólitos da justiça italiana nos últimos anos.

Dois detetives da polícia prenderam este fim de semana em Nápoles, no sul do país, um muito procurado chefe da máfia italiana. Mas esqueça os típicos mandados de busca ou as rusgas surpresa em que uma grande carga policial irrompe porta adentro. Para capturar o criminoso, os detetives recorreram a um método peculiar: disfarçados de entregadores de pizza, foram levar uma encomenda à casa onde o mafioso – Roberto Manganiello, de 35 anos – se encontrava escondido das autoridades desde 2013.

A detenção ocorreu enquanto o mafioso se preparava para uma “tarde de futebol”, no sofá, em frente à televisão, onde assistia ao jogo da liga italiana entre o Nápoles e o Inter de Milão.

Manganiello é um dos mais importantes membros da máfia Camorra – uma das maiores, mais antigas e mais conhecidas redes criminosas em Itália, assente na região de Nápoles. Um duplo homicídio em 2004 que desencadeou uma rixa entre gangues em Nápoles colocou-o na lista dos “100 criminosos mais perigosos de Itália”. No apartamento onde estava escondido, numa vila a cerca de 15 quilómetros de Nápoles, as autoridades afirmam que o criminoso geria um negócio de droga e extorsão de dinheiro.

O homem não ofereceu qualquer resistência à polícia, segundo a Associated Press, tendo sido também detida uma mulher de 30 anos presente no apartamento. O ministro do Interior italiano Angelino Alfano já classificou a operação de “um sucesso”, devido a um “trabalho de investigação de altíssimo nível”.

Ninguém sabe dizer ao certo que ingredientes continha a pizza usada para a detenção.