Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Acusada de ignorar falhas de segurança, ministra dos Transportes belga demite-se

  • 333

LAURENT DUBRULE / EPA

Jacqueline Galant, apresentou a demissão depois de ter sido acusada de ignorar as falhas de segurança detetadas no aeroporto e metro de Bruxelas. Relatório que as identificava é anterior aos ataques bombistas que, em março, causaram a morte de 32 pessoas na capital da Bélgica

A ministra dos Transportes da Bélgica, Jacqueline Galant, apresentou esta quinta-feira a sua demissão, após várias acusações de que ignorou alegadas falhas no sistema de segurança dos transportes em Bruxelas.

Pressionada desde os atentados de Bruxelas, em março, e após a demissão também de Laurent Ledoux, presidente da administração da Mobilidade no país, Galant afirmou ao jornal belga “Le Soir”: “Não posso trabalhar sem serenidade”.

Após os atentados no aeroporto de Zaventem e numa estação de metro da capital, que resultaram na morte de 32 pessoas, as falhas de segurança em Bruxelas ficaram evidentes, em particular nos aeroportos da capital. Desde essa altura que todos os partidos da oposição têm pedido a demissão de Galant, com alegações de que a ministra ignorou os constantes avisos de lapsos na segurança.

Terá sido o próprio primeiro-ministro belga, Charles Michel, a pedir a demissão de Galant. O chefe de Estado já tinha defendido a ministra no parlamento, ao reiterar que o seu gabinete não tinha recebido um relatório da UE que criticava as medidas de segurança nos aeroportos belgas. Afirmação que veio a contradizer esta sexta-feira, ao dizer que, “contrariamente ao que pensava”, afinal a ministra dos Transportes tinha recebido e discutido o dito relatório. “Não posso aceitar que estes dados não tenham sido trazidos à minha atenção mais cedo”, disse Michel.

Vários membros do Executivo belga têm enfrentado duras críticas. Na semana passada, foi a vez do ministro do Interior belga, Jan Jambon, depois de ter comparado Salah Abdeslam e Mohamed Abrini - responsáveis pelos ataques terroristas em Paris e Bruxelas - com os judeus na ocupação nazi. Ameaçado com a demissão, o ministro acabou por pedir desculpa pelas declarações.

Ainda não foi apontado sucessor para o cargo. Entretanto, a segurança nos transportes belgas – aeroportos, estações de metro e autocarros – tem sido fortemente reforçada desde os ataques bombistas, com o país em alerta de um novo ataque terrorista.