Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Putin está por trás dos Panama Papers?

  • 333

COMO DIZ? O Presidente russo tem sido falado nos media internacionais pela investigação dos Panama Papers, mas no seu próprio país não há indignação

reuters

Investigador do Instituto Brookings que é especialista em economia e corrupção na Rússia acredita nessa possibilidade, mas muitos, incluindo colegas seus, descartam “teoria da conspiração”

À superfície pode parecer que o caso Panama Papers, que rebentou com estrondo a 3 de abril pela mão do Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação (ICIJ) e seus parceiros, entre os quais se inclui o Expresso, não é bom para a Rússia. Assim que o ICIJ começou a divulgar os conteúdos de parte dos 11,5 milhões de documentos da sociedade de advogados panamiana Mossack Fonseca há uma semana, Vladimir Putin foi um dos seus primeiros alvos.

De acordo com ficheiros internos da empresa com sede no Panamá, um círculo de amigos e conselheiros do Presidente russo terão desviado até dois mil milhões de dólares para contas em paraísos fiscais, uma informação que, para muitos, veio corroborar as suspeitas de que Putin é corrupto.

Depois de alguns dias de silêncio, o Presidente e um dos homens citados no Panama Papers vieram desmentir as alegações de corrupção; Putin acusou a Ocidente de orquestrar uma campanha para o denegrir e o violoncelista Sergey Roldugin garantiu este domingo que o dinheiro que lhe é afeto veio de doações.

Mas contra a defesa pública de Putin sobre um esquema dirigido pelos Estados Unidos para desestabilizar a Rússia, surge agora uma outra teoria que atribui a Putin outro papel na maior fuga de informação da história: o de orquestrador e não vítima.

A teoria começou a ser avançada na quinta-feira por Clifford Gaddy, um economista do Instituto Brookings que é um dos principais especialistas ocidentais em questões ligadas à economia russa e ex-conselheiro do Ministério das Finanças da federação durante os anos 90.

Num artigo de opinião assinado por Gaddy no site do Brookings na passada quinta-feira, o especialista apresenta a teoria em quatro pontos, dizendo que foi um hacker apoiado pelo governo russo que enviou os documentos internos da Mossack Fonseca ao jornal alemão "Süddeutsche Zeitung" no início de 2015, abrindo caminho a este escândalo. No mesmo texto, Gaddy sublinha que existe "deliberadamente" pouca informação nos Panama Papers que tenha efetivamente um impacto negativo na figura de Putin (já sobreviveu a acusações piores de corrupção), contra a quantidade de informação mais nociva que põe em causa a honestidade e transparência de outros líderes mundiais.

A isto alia-se o facto de haver tão poucos dados a ligar figuras e empresas norte-americanas à sociedade panamiana, que na sua opinião pode querer dizer que parte da informação dos documentos foi retida para ser usada com propósitos de chantagem. Nessa mesma publicação, Gaddy disse que "não se trata certamente de uma teoria, nem sequer de uma hipótese", falando "mais numa sugestão de alguma coisa que deve ser seriamente investigada".

Muitos, incluindo colegas de Gaddy, levantam sérias dúvidas sobre a sua "sugestão", entre eles Karin Dawisha, outra especialista dedicada a investigar casos de corrupção na Rússia. No Twitter, a académica escreveu que, apesar do respeito que tem por Gaddy, a sua última ideia é disparatada.

"Estou convencida de tudo o que Gaddy escreve, mas não disto. Os americanos não estão nos Panama Papers porque os EUA têm Delaware", disse, em referência ao facto de esse estado norte-americano, a par de outros, ter regulações financeiras semelhantes às de reconhecidos paraísos fiscais como o Panamá ou as ilhas Caimão. Outros, como a jornalista russa-americana Masha Gessen, falaram numa "excelente conspirologia", e Brian Whitmore, da Radio Free Europe/Radio Liberty, sugeriu no Twitter que Gaddy está "a reinar com o Kremlin".

Num artigo de análise à teoria de Gaddy, o "The Independent" referia este domingo que "há certamente partes da ideia que fazem muito sentido" — entre elas o facto de ser claro que a questão dos dois mil milhões de dólares não causou mossa no poderio de Putin, ao contrário dos casos que envolvem Cameron ou o atual Presidente da Ucrânia Petro Poroshenko, que veio substituir o pró-russo Viktor Ianukovitch em finais de 2013.

Isto poderá dever-se não só ao facto de ele ser uma figura de enorme popularidade dentro da Rússia como pelo facto de há muitos anos haver suspeitas de que esconde uma fortuna que ascende aos 200 mil milhões de dólares, o que faria dele o homem mais rico do mundo e o que rouba importância e peso ao número baixo de dinheiro movimentado que é citado nos Panama Papers.

No mesmo artigo, o jornal britânico admite igualmente que outras partes da teoria de Gaddy fazem menos sentido, entre elas a ausência de norte-americanos nos documentos, que pode simplesmente dever-se ao facto de não recorrerem ao Panamá quando querem esconder fortunas e bens. O próprio Gaddy reconhece tudo isto, mas defende que é preciso questionar que informação não está a ser revelada no âmbito da maior fuga de informação da história.

"Como é que algum dia vamos saber que está completa? Até agora toda a gente parece apenas perguntar 'Que segredos estão nos Panama Papers?', quando deveríamos questionar 'Que segredos [dos ficheiros originais da Mossack Fonseca] é que NÃO estão nos Panama Papers?'", escreveu no seu blogue, sublinhando que tem visto ao longo dos anos como Putin usa segredos financeiros "para destruir ou controlar" pessoas dentro da Rússia. Poderá estar a fazê-lo agora a uma escala mundial?