Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

OMS diz é preciso vacinar 19,3 milhões de angolanos para travar febre-amarela

  • 333

Margaret Chan, diretora-geral da Organização Mundial de Saúde, está em Angola para "analisar e apoiar a resposta" do país à epidemia de febre-amarela

Chung Sung-Jun / Getty Images

A Organização Mundial de Saúde (OMS) afirma que Angola vai ter de imunizar com urgência 19,3 milhões de pessoas, em 12 províncias, para travar a epidemia de febre-amarela no país, que já provocou pelo menos 218 mortes.

A informação da OMS, divulgada esta segunda-feira em Luanda, surge na sequência da visita que a diretora-geral daquela organização das Nações Unidas está a fazer, até terça-feira, à capital angolana, precisamente para "analisar e apoiar a resposta" à epidemia de febre-amarela.

A visita de Margaret Chan "ocorre numa altura em que Angola necessita de adquirir vacinas a nível internacional com urgência" e "assegurar a imunização de 19,3 milhões de pessoas em risco de febre-amarela, em 12 das 18 províncias do país, onde até hoje foram confirmados casos", explica a delegação da OMS de Luanda, numa informação enviada à Lusa.

Até à data, com o apoio da OMS, Angola vacinou mais de 5,8 milhões de pessoas contra a febre-amarela e já adquiriu 7,3 milhões de doses da vacina, também com o apoio do Grupo de Coordenação Internacional para o Fornecimento da Vacina da Febre-Amarela e de países como o Brasil e a China.

Na visita a Luanda, a diretora-geral da OMS, Margaret Chan, é acompanhada pela diretora regional para África da OMS, Matshidiso Moeti, e tem reuniões agendadas com vários membros do Governo.

"A diretora-geral da OMS aceitou vir a Angola, para nos ajudar a coordenar os esforços de cooperação internacional para melhor enfrentarmos esta situação", explicou recentemente o ministro da Saúde de Angola Luís Gomes Sambo.

A deslocação de Margaret Chan a Luanda inclui visitas a hospitais da capital e reuniões com representantes de outras organizações internacionais de cooperação com Angola.

Só a epidemia de febre-amarela que assola Angola vitimou mortalmente 218 pessoas entre dezembro, quando foi detetado o primeiro caso em Luanda, e o final de março.

De acordo com o mais recente boletim sobre a evolução da epidemia, do Ministério da Saúde angolano e da OMS, até 31 de março estavam confirmados laboratorialmente 493 casos de febre-amarela, havendo registo de mais uma centena de casos suspeitos em dois dias.

Desde dezembro, a epidemia da doença – segundo a OMS a pior em 30 anos – provocou mais de 1500 casos suspeitos.

O lixo acumulado nas ruas, falta de saneamento, dificuldades dos hospitais com falta de medicamentos, devido à crise financeira generalizada no país, e as fortes chuvas que se têm feito sentir, nomeadamente em Luanda, ajudam a explicar a rápida propagação da doença nos últimos meses.

O ministro angolano da Saúde já reconheceu que Luanda vive epidemias de malária grave e febre-amarela que estão a deixar os hospitais sem capacidade de resposta, mas afasta a possibilidade de declarar a situação de emergência na capital.

O governante anunciou a disponibilização de uma dotação adicional de mais de 30 milhões de dólares (26,8 milhões de euros) para a compra de vacinas, medicamentos e outro material médico para combater as duas epidemias que afetam a capital, verba que ainda será reforçada.

Só a epidemia de malária já terá afetado cerca de 500.000 pessoas em Luanda nas últimas semanas, sendo a doença a principal causa de morte em Angola.

Já na terça-feira da semana passada, o ministro anunciou uma dotação excecional para contratar, nos próximos dias, cerca de 2000 médicos e paramédicos angolanos recentemente formados no país e no estrangeiro para reforçar a capacidade de combate dos hospitais às epidemias que assolam sobretudo Luanda, província com quase sete milhões de habitantes.