Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

WikiLeaks publica conversas do FMI sobre estratégia para impor mais austeridade na Grécia

  • 333

Platão à esquerda, Sócrates à direita e a Grécia no meio de reflexão e pressão além-fronteiras

FOTO REUTERS

O documento divulgado é alegadamente a transcrição de conversa em que se fala sobre uma a estratégica para a Grécia aceitar mais cortes orçamentais e para levar a Alemanha ceder a uma nova reestruturação da dívida

A WikiLeaks publicou este sábado a alegada transcrição de uma teleconferência entre dois responsáveis do FMI, na qual discutem a estratégica para a Grécia aceitar mais cortes orçamentais e para levar a Alemanha ceder a uma nova reestruturação da dívida.

O documento divulgado por aquele portal identifica os interlocutores como o diretor de assuntos para a Europa do Fundo Monetário Internacional (FMI), Poul Thomsen, e a chefe da missão da instituição na Grécia, Delia Velculescu, tendo a conversa acontecido a 19 de março último.

Nesta conversa, ambos os responsáveis mostram-se muito exasperados com o ritmo lento das negociações quanto às reformas à concretizar pelos gregos e a pouca pressão por parte das instituições e parceiros europeus, e falam sobre a estratégia a adotar nas negociações do terceiro programa de resgate para o FMI fazer valer a sua posição.

Do que se compreende das transcrições, a instituição liderada por Christine Lagarde defende metas orçamentais mais exigentes, que implicam maiores cortes de despesa, como um excedente primário orçamental de cerca de 3,5% do Produto Interno Bruto (PIB), e propõe um alívio da dívida grega.

Durante a conversa, Poul Thomsen lembra que, no passado, os gregos só aceitaram ceder às exigências quando "estavam prestes a ficar sem dinheiro e a entrar em incumprimento".

"E isso é provavelmente o que vai acontecer de novo. E, neste caso, arrasta-se até julho e claramente os europeus não vão ter quaisquer discussões durante o mês anterior ao 'Brexit'", acrescentou o responsável do FMI, em referência ao referendo britânico marcado para 23 de junho, que vai decidir sobre a permanência do Reino Unido na União Europeia.

Thomsen fala ainda da reestruturação da dívida grega, que há bastante tempo o FMI defende, e da forma como levar a Alemanha a aceitá-la.

"Basicamente, nós a certa altura dizemos. 'Olhe, senhora Merkel, tem um desafio e tem de pensar o que lhe traz mais custos. Ir em frente sem o FMI e, aí o parlamento alemão irá questionar 'O FMI não participa?', ou escolher o alívio da dívida que nós pensamos que é necessário para estarmos dentro'", afirmou, citado na transcrição disponibilizada pela WikiLeaks na sua página na internet.

Na sequência da divulgação destes documentos, o primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, convocou já hoje uma reunião de emergência, com a participação dos ministros dos Negócios Estrangeiros, Nikos Kotzias, e das Finanças, Euclides Tsakalotos.

"Não vamos permitir que façam jogos em detrimento do nosso país", disse uma fonte do Governo grego à agência de notícias grega Amna.

Esta segunda-feira são retomadas as negociações entre os credores internacionais da Grécia, após uma pausa de duas semanas, estando previsto que Delia Velculescu viaje hoje mesmo para a capital grega.

O terceiro programa de resgate à Grécia foi aprovado no verão de 2015, sendo que em janeiro deste ano o Governo grego aceitou o envolvimento do FMI.

A Alemanha tem insistido na participação do FMI, uma vez que considera que esta será mais exigente com a Grécia na execução de reformas.

Para aceitar estar financeiramente envolvido no resgate, no valor de 86 mil milhões de euros, o FMI -- que atualmente presta assistência técnica - exige de Atenas várias reformas, nomeadamente nas pensões, mas também que a zona euro aceite a renegociação da dívida pública do país.

  • WikiLeaks divulgou o conteúdo de uma conversa entre Poul Thomsen e Delia Velculescu do FMI em que se antecipa a possibilidade do Fundo sair das negociações do terceiro resgate a Atenas se a Alemanha persistir em recusar o “alívio” da dívida grega. O momento de crise pode coincidir com o processo de referendo britânico em junho. Teremos o regresso de um "verão quente"