Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Falso nome português serviu para terroristas arrendarem apartamento

  • 333

Foi num apartamento da rua Henri Bergé, na comuna bruxelense de Schaerbeek, que as autoridades belgas encontraram em dezembro explosivos e impressões digitais de Salah Abdeslam

Emmanuel Dunand

O cartão de identidade, falsificado, estava em nome de Miguel dos Santos. Foi desse apartamento, na comuna de Schaerbeek, que os alegados autores do atentado no aeroporto de Bruxelas partiram

O apartamento na comuna de Schaerbeek, de onde partiram os alegados autores do atentado no aeroporto de Bruxelas, foi arrendado sob falso nome português por um dos suspeitos, Ibrahim El Bakraoui, indica este sábado a AFP, citando a Procuradoria belga.

O cartão de identidade, falsificado, estava em nome de Miguel dos Santos, precisaram as autoridades belgas, confirmando uma informação divulgada pelo canal de televisão TVI24.

As imagens transmitidas pela TVI24 mostram a foto de um cartão de identidade belga, no qual Ibrahim El Bakraoui aparece de cabeleira preta, aparentemente uma peruca, e com óculos.

Foi deste apartamento situado na rua Max Roos que os três assaltantes partiram, a 22 de março, de táxi, em direção ao aeroporto de Bruxelas, onde dois deles, incluindo Ibrahim El Bakraoui, um belga de 29 anos, se fizeram explodir. O terceiro elemento, o “homem do chapéu”, continua a ser procurado.

O imóvel tinha sido comprado há menos de seis meses por um português ligado ao setor da construção que vive na Bélgica, segundo a TVI24.

Um importante arsenal foi descoberto no apartamento, designadamente 15 quilos de explosivos, 150 litros de acetona, dois detonadores e diversos ingredientes para a confeção de engenhos explosivos, disse o procurador belga ligado à investigação.

A polícia localizou o apartamento graças ao testemunho do taxista que conduziu os três terroristas até ao aeroporto de Bruxelas e que identificou as fotos dos terroristas difundidas pelas autoridades belgas.

Segundo a TVI24, cinco homens viviam ou estavam de passagem neste apartamento. Os atentados terroristas de 22 de março, no aeroporto e na estação de metro de Maelbeeck, em Bruxelas, causaram 32 mortos e 340 feridos.

  • A ameaça que o Daesh fez a Portugal é mesmo para levar a sério?

    Apesar da referência direta a Portugal como alvo futuro do terrorismo do Daesh - tal como o Expresso Diário noticiou quinta-feira -, especialistas e autoridades defendem que a mensagem não é literal - significa antes que a ameaça é generalizada, podendo atingir qualquer ponto da Europa. Ministra da Justiça mantém nível de alerta inalterado