Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Russos estreiam-se em megaexercício militar no Mar do Sul da China

  • 333

Três navios da Armada russa estarão no início de maio a combater ameaças terroristas nesta região do globo

A frota russa do Pacífico participará, pela primeira vez, num megaexercício naval de contraterrorismo em que estão representados quase 30 países da região Ásia-Pacífico, informa a agência RIA Novosti, citando fonte militar.

O exercício ADMM-Plus-2016 decorrerá entre 2 e 12 de maio no Mar do Sul da China, estando já garantida a presença dos seguintes navios da Armada russa: “Almirante Vinográdov” (luta antisubmarina), “Irkut” (reabastecedor) e “Photius Krylov” (rebocador).

“Os navios russos patrulharão a área do exercício e levarão a cabo uma operação conjunta para detetar e libertar um navio sob controlo de um presumível grupo de terroristas”, informou o porta-voz da frota russa do pacífico, Román Mártov.

A ADMM-Plus é uma organização que reúne 18 ministros da defesa: dez dos países que integram a ASEAN-Associação das Nações do Sudoeste Asiático (Brunei, Camboja, Filipinas, Indonésia, Laos, Malásia, Myanmar, Singapura, Tailândia, Vietname) e ainda os da Austrália, China, Coreia do Sul, Estados Unidos, Índia, Japão, Nova Zelândia e Rússia.

Tensão na Europa

A integração russa neste exercício multinacional a oriente, durante o qual escalarão portos em Singapura e no Brunei, contrasta com a tensão na Europa, face ao anunciado reforço de mais 4.200 militares norte-americanos, ao serviço da NATO, junto à sua fronteira.

Na sexta-feira passada o ministro da Defesa russo, Sergey Shoigu, declarou que iriam responder militarmente à Aliança Atlântica reforçando a presença militar com mais homens e equipamento.

Esta quarta-feira, o representante permanente da Rússia na NATO, Alexander Grushko, voltou ao tema, garantindo em entrevista à estação de televisão Rossiya 24 que irão responder de forma “assimétrica”. “A verdadeira ameaça está no flanco sul da Aliança, mas é aqui que estão a reforçar a presença militar”, lamentou.