Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Suu Kyi assume pasta dos Negócios Estrangeiros e gabinete da presidência

  • 333

YE AUNG THU

Htin Kyaw tomou posse como Presidente da Birmânia esta manhã tornando-se o primeiro líder civil democraticamente eleito no país em mais de 50 anos. Impedida de ocupar esse lugar, a histórica líder da oposição e Nobel da Paz assume cargos-chave no governo do amigo de longa data

O novo Presidente da Birmânia, Htin Kyaw, amigo próximo da Nobel da Paz Aung San Suu Kyi, tomou posse esta quarta-feira, tornando-se no primeiro chefe de Estado do país escolhido de forma democrática em mais de 50 anos a assumir funções.

Htin Kyaw, de 69 anos, prestou juramento numa cerimónia no parlamento de Naypyiadaw depois de ter sido escolhido, este mês, pelo Congresso birmanês, onde a Liga Nacional para a Democracia (LND) de Suu Kyi detém maioria absoluta desde as eleições de novembro.

Além do novo Presidente, prestaram juramento os seus dois vice-presidentes – o tenente-general Mying Swe e o deputado da LND, cristão e da minoria chin Henry Van Thio, ambos apresentados para a presidência pelos outros grupos partidários e pela Junta Militar, que liderou uma ditadura no país ao longo de décadas e que continua a ocupar 25% dos assentos parlamentares disponíveis por nomeação e não eleição.

Impedida de se tornar Presidente por causa das alterações constitucionais impostas pela Junta, que vedam o cargo a birmaneses cujos filhos têm outras nacionalidades (caso da líder da LND), Suu Kyi assume quatro das 21 pastas no governo do amigo de longa data.

Para além de ficar responsável pelo gabinete da presidência, a grande vencedora das eleições assume os ministérios dos Negócios Estrangeiros, da Educação e o da Eletricidade e Energia. Durante a campanha para as legislativas de novembro, Suu Kyi prometeu que iria governar por procuração, contornando a impossibilidade de ser efetivamente a Presidente da Birmânia. Os cargos que hoje assumiu, em particular o de chefe da diplomacia e a responsável pelo gabinete da presidência, parecem sustentar essa possibilidade.