Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Brasileiros na rua contra golpe

  • 333

Quando se cumprem 52 anos do golpe que instaurou a ditadura militar, movimentos sociais, organizações sindicais e estudantis convocaram para amanhã, quinta-feira, manifestações de apoio a Dilma Roussef no Brasil e na Europa

“Não vai ter golpe” é a palavra de ordem da Frente Brasil Popular e da Frente Povo Sem Medo, as duas das organizações que convocaram para amanhã, dia 31, manifestações em diversas cidades brasileiras e europeias. A recusa da destituição da presidente Dilma Roussef sem fundamentos legais é objetivos dos organizadores que salientam que a presidente foi “reeleita com 54 milhões de votos nas últimas eleições.

Críticos do governo do Partido dos Trabalhadores (PT), os membros das frentes Povo Sem Medo e Brasil Popular são porém adversários da destituição de Dilma. Defendem também o fim da reforma fiscal e o afastamento imediato de Eduardo Cunha, o presidente do parlamento indiciado por corrupção no caso Lava Jato. Cunha que irá apreciar apreciar o “impeachment” de Dilma enfrenta também um pedido destituição “por falta de decoro parlamentar” por ter omitido a titularidade de constas na Suíça onde depositou mais de 5 milhões de dólares de subornos, segundo a Polícia Federal. A Frente Povo Sem Medo integra 27 associações e movimentos sociais que vão de sindicatos, organizações de juventude, Igreja Católica, entre outros. Já a Frente Brasil Popular integra além do PT, o Partido Socalista Brasileiro e o Partido Comunista do Brasil.

Além das principais cidades brasileiras de Santiago do Chile e Cidade do México, estão convocadas manifestações para Berlim e Munique, Paris, Barcelona e Londres, entre outras.

  • Com a saída do PMDB, as atenções recaem agora nos outros parceiros da coligação. A redistribuição de ministérios e cargos públicos poderão fazer pender o fiel da balança para o apoio a Dilma

  • Brasil com um perfume de golpe

    Dois anos de Lava Jato põem Brasil a ferro e fogo. Lula toma posse como ministro, mas fica no cargo apenas alguns minutos, por decisão do tribunal. Divulgação criteriosa de escutas deixa no ar um perfume de golpe

  • Juiz pede desculpa por ter divulgado escutas a Lula e Dilma

    Sérgio Moro pediu desculpa ao Supremo Tribunal Federal brasileiro pelas consequências da divulgação das escutas telefónicas que envolvem Dilma Rousseff e Lula da Silva, garantindo que a decisão foi constitucional e não teve qualquer motivação política