Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Japão inaugura base militar perto de ilhas disputadas do Mar do Sul da China

  • 333

US NAVY / Reuters

Autoridades nipónicas querem vigiar atividades de Pequim nas disputadas ilhas Senkaku com novo sistema de radares próximo de Taiwan

O Japão inaugurou esta segunda-feira uma base militar no Mar do Sul da China, muito perto de Taiwan e das ilhas Senkaku, disputadas por Tóquio e Pequim, para "vigiar as atividades marítimas" do regime chinês. A base militar consiste numa estação de radares que foram ligados, para permitir às autoridades nipónicas a recolha permanente de dados e informações naquela região.

A nova base está instalada na ilha de Yonaguni, no expoente mais a ocidente da série de ilhas que o Japão detém no Mar do Sul da China, a 150 quiómetros das ilhas Senkaku, Diaoyu para os chineses. Os territórios daquele mar são disputados há vários anos não só pelo Japão e pela China, como pelas Filipinas, Vietname, Malásia, Taiwan e Brunei.

Nos últimos meses, o Mar do Sul da China voltou a concentrar atenções perante as crescentes tensões diplomáticas entre a China, outros atores regionais e os Estados Unidos naquele que é um corredor marítima de extrema importância estratégica por, entre outras razões, albergar reservas de 125 mil milhões de barris de petróleo. Para garantir o que diz ser "a sua soberania" nas suas "águas territoriais", Pequim tem estado a construir ilhas artificiais em várias zonas do espaço marítimo, sob fortes críticas da comunidade internacional.

"Até ontem, não tínhamos uma unidade de observação costeira a oeste da ilha de Okinawa", explicou esta manhã Daigo Shiomitsu, tenente-coronel da Força Terrestre de Autodefesa do Japão, que vai comandar a nova base em Yonaguni. "Havia um vácuo que precisava de ser preenchido. Agora podemos manter sob vigilância o território que circunda o Japão e responder a todas as situações", acrescentou.

A instalação deste sistema de radares inaugurado esta segunda-feira estava prevista no Orçamento de Defesa do Japão para 2016, que foi aprovado em dezembro passado. No valor de 5,05 mil milhões de ienes (cerca de 39 mil milhões de euros), este é o maior orçamento de Defesa aprovado pelo país desde a sua desmilitarização no pós-II Guerra Mundial.