Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Crianças inglesas de apenas sete anos já trocam mensagens sexuais, conclui estudo

  • 333

Novo estudo revela que metade das crianças em idade escolar já enviou mensagens, imagens e vídeos de teor sexual. Pais dão mau exemplo nas redes sociais

Um estudo divulgado por um sindicato de professoras britânico, o NASWUT, revela que é cada vez maior o número de crianças que trocam mensagens de teor sexual. Embora a maior parte dos casos se dê entre jovens de 13 a 16 anos, chega a haver casos de crianças com apenas sete anos.

O estudo conclui que mais de metade dos professores já soube de alguma troca de mensagens na escola em que trabalha e um quarto dos docentes conhece situações em que são crianças de apenas 11 anos a fazê-lo. Nestas mensagens incluem-se as que são apenas de texto, mas também as que contêm imagens ou vídeos de teor sexual.

Os riscos desta atividade são preocupantes. "Quando algo corre mal, as consequências podem ser devastadoras. Para além de estarem expostos a bullying se as imagens forem divulgadas, isto pode fazer das crianças um alvo para pedófilos", explica ao "The Guardian" um porta-voz da Sociedade Nacional para a Prevenção da Crueldade para Crianças (NSPCC na sigla original).

"As crianças e os jovens precisam de perceber os riscos de enviar estas imagens e de saber o que fazer para ter apoio nestes casos", prossegue a mesma fonte, que confirma que "muitas crianças vêm esta atividade como uma coisa normal do dia a dia".

Pais dão mau exemplo

Mas a forma como as crianças usam as novas tecnologias não é a única que está a gerar preocupação. O mesmo estudo conclui que metade dos professores entrevistados já viu comentários negativos sobre si a circular pela internet, muitas vezes publicados pelos pais dos seus alunos. Nestas mensagens, pais e crianças chegam a classificar os professores como "pedófilos" e a fazer ameças de violações.

O relatório adianta ainda que mais de metade dos professores têm conhecimento de mensagens homofóbicas, racistas e sexistas publicadas pelos alunos nas redes sociais e muitas vezes dirigidas a colegas.