Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Polícia belga procura mais um suspeito do ataque ao metro de Bruxelas

  • 333

Najim Laachraoui, de 24 anos, era alvo de um mandado de captura desde 2014. É o único dos três suspeitos procurados pela polícia no rescaldo dos atentados de Bruxelas que já foi identificado

Polícia federal belga

Fontes oficiais dizem que terceiro homem em fuga foi filmado pelo circuito de câmaras de vigilância do metro ao lado de Jalid El Bakraoui, que se fez explodir na estação de Maelbeek na manhã de terça-feira. Neste momento autoridades estão em busca de pelo menos três suspeitos a monte. Apenas um já foi oficialmente identificado

O "Le Monde" avançou esta quinta-feira que a polícia federal belga está à procura não de dois mas de três suspeitos de envolvimento nos atentados que, há dois dias, provocaram 31 mortos e cerca de 300 feridos no aeroporto internacional de Bruxelas e na estação de metro de Maelbeek, no centro da capital belga. Esta informação foi confirmada, ao final da manhã em Lisboa, por fontes da polícia federal sob anonimato, avançou o jornal belga "Le Soir".

O jornal francês foi o primeiro a avançar informações privilegiadas a dar conta de que a polícia está à procura de um segundo suspeito não identificado dos três que poderão estar em fuga. O homem surge ao lado de Jalid El Bakraoui nas imagens captadas pelas câmaras de vigilância do metro de Bruxelas. O mais novo dos irmãos Bakraoui, de 27 anos, é tido pela polícia como o responsável pelo ataque bombista à estação de Maelbeek, perto da Comissão Europeia — horas depois de o seu irmão, Ibrahim, de 30 anos, se ter feito explodir na zona de partidas do aerporto de Zaventem pelas 8h da manhã locais de terça-feira (7h em Lisboa).

Na quarta-feira, o Ministério Público belga avançou que para já foram identificados três dos suspeitos envolvidos nos atentados ao centro político da União Europeia, dois deles os irmãos Bakraoui e o terceiro Najim Laachraoui, que terá participado igualmente nos atentados que, em novembro, provocaram 130 mortos em Paris, e cujo ADN foi detetado em materiais explosivos encontrados num dos apartamentos da célula franco-belga do autoproclamado Estado Islâmico (Daesh).

Nas imagens captadas pelo sistema de videovigilância do aeroporto, Ibrahim El Bakraoui e Laachraoui surgem ao lado de um outro suspeito ainda não identificado que, segundo a polícia, terá fugido do local depois de não conseguir detonar os explosivos que transportava na mala.

Assim, a polícia federal estará neste momento à procura de três possíveis fugitivos, dos quais apenas Laachraoui foi já oficialmente identificado. O belga já era procurado desde a captura de Salah Abdeslam, na sexta-feira passada, no subúrbio bruxelense de Molenbeek, pela sua participação nos atentados de Paris.

O facto de Laachraoui surgir ao lado do mais velho dos irmãos Bakraoui parece confirmar as suspeitas de que os dois ataques em solo europeu foram levados a cabo pela mesma célula do Daesh e que os atentados desta terça-feira na Bélgica foram "apressados" pela detenção do mentor dos atentados de Paris na semana passada.