Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Tropas sírias às portas da cidade histórica de Palmira

  • 333

Palmira pouco dias após a invasão do autoproclamado Estado Islâmico. Na altura, ainda não havia quaisquer indícios de destruição

GETTY

Atualmente controlada pelo Estado Islâmico, para além do riquíssimo legado histórico a cidade representa também o domínio de uma área em redor, de cerca de 30 mil quilómetros quadrados, que se estende até à fronteira com o Iraque

As indicações de que forças militares do regime sírio poderão estar prestes a reconquistar Palmira ao autodenominado Estado Islâmico (Daesh) são sustentadas pelos relatos do Observatório Sírio para os Direitos Humanos (OSDH), que dizem que as tropas já se encontram nas imediações da cidade histórica.

“As forças do regime estão agora a dois quilómetros do lado sul e a cinco quilómetros do lado ocidental”, refere Rami Abdel Rahman, diretor da organização sedeada em Londres, em declarações prestadas à agência France Presse.

Um oásis no meio do deserto, classificado pela UNESCO como Património da Humanidade, a cidade foi tomada pelo Daesh em maio do ano passado, o que causou enorme preocupação internacional, pelos receios da destruição intencional as suas ruínas históricas. Em outubro, os jiadistas deitaram por terra de que o Arco do Triunfo, datado de entre 193 e 211 d.C.

Apoiados pelos ataques aéreos russos, as forças do regime sírio lançaram no principio do mês uma campanha pela sua reconquista.

Moscovo indicou na semana passada estar a fazer 25 raides aéreos diários para ajudar as tropas de Bashar al-Assad a reconquistaram o território, denominado pelo Presidente Vladimir Putin como “a pérola da civilização mundial”.

O Daesh tem conseguido, contudo, revelar capacidade de resistência e só esta segunda-feira matou 26 combatentes pró-governamentais, segundo refere o OSDH.

O Daesh também indica que matou cinco soldados russos e ainda alguns combatentes libaneses shiitas do Hezbollah. Mas não há nenhuma confirmação destes últimos dados por parte da Rússia, que não dá sequer quaisquer indicações de ter militares seus no terreno.

Para além da importância do legado histórico, o controlo de Palmira representa também o domínio sobre uma área de 30 mil quilómetros quadrados que se estende até à fronteira com o Iraque,

O Daesh controla atualmente cerca de 40% do território sírio e caso venha a perder Palmira passará a dominar apenas 30%, segundo os dados do OSDH.

Localizada a 210 quilómetros de Damasco, a cidade era visitada anualmente por 150 mil turistas antes da guerra.