Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Quem são os irmãos Bakraoui, alegados bombistas suicidas de Bruxelas?

  • 333

Jalid, de 27 anos (esq), ter-se-á feito explodir no metro de Maelbeek horas depois de o seu irmão Ibrahim, 30 anos, ter levado a cabo atentado no aerporto de Zaventem em Bruxelas

Polícia federal belga

Polícia federal ainda não confirmou identidades avançadas pelo canal público belga RTBF, que cita fonte próxima das investigações. Segundo a emissora estatal, Ibrahim fez-se explodir no aeroporto de Zaventem e o seu irmão mais novo, Jalid, foi o responsável pelo ataque ao metro de Maelbeek. Terceiro suspeito ainda está em fuga

A polícia federal belga mantém, para já, a versão oficial de que ainda não apurou a identidade dos três homens que aparecem nas imagens captadas pelas câmaras de segurança do aeroporto de Zaventem esta terça-feira, pouco antes de duas explosões na zona de partidas terem inaugurado o dia de terror em Bruxelas.

Ao final de terça-feira, as autoridades confirmaram apenas que os indivíduos dessa fotografia disseminada pela imprensa internacional estavam a ser tratados como "suspeitos" na investigação aos atentados que atingiram o coração da União Europeia. A par das explosões no aeroporto, uma outra na estação de metro de Maelbeek lançou o pânico no centro de Bruxelas. O balanço oficial de vítimas dos dois ataques situa-se, neste momento, nos 31 mortos e 250 feridos.

Apesar de ainda não haver confirmação oficial, a televisão belga francófona RTBF avançou, esta manhã, que dois dos suspeitos já foram identificados, citando uma fonte da polícia federal. São os irmãos Jalid e Ibrahim El Bakraoui, de 27 e 30 anos respetivamente. O mais velho ter-se-á feito explodir junto dos balcões de partidas do maior aeroporto de Bruxelas ao início da manhã de terça. Horas depois, o seu irmão Jalid terá sido o responsável pela explosão de Maelbeek.

Eis o que já se sabe sobre os dois homens:

- Cresceram em Bruxelas e há vários anos que estavam na mira da polícia por atos de delinquência e vandalismo;

- O crime mais grave em que Ibrahim esteve envolvido aconteceu em 2010, quando foi condenado a nove anos de prisão por um tribunal correcional da capital belga, por ter abatido um agente da polícia a tiro com uma kalashnikov durante um assalto. A informação é avançada pelo jornal belga "L'Echo"

- No início do ano seguinte, o Bakraoui mais novo, Jalid, detido na posse de kalashnikovs, foi condenado a cinco anos de prisão por car-jacking;

- Há uma semana, o nome de Jalid ressurgiu nos registos da polícia durante as investigações no bairro de Forest que conduziriam à captura de Salah Abdeslam, o mentor dos atentados de novembro em Paris, que esteve a viver escondido em subúrbios de Bruxelas até sexta-feira. A polícia belga descobriu, na altura, que Jalid arrendou sob identidade falsa o apartamento em Forest onde, a 15 de março, se deu um tiroteio entre as autoridades e três suspeitos. Mohamed Belkaïd, um argelino de 35 anos que vivia sem documentação na Bélgica, morreu na troca de tiros. Outros dois fugiram, um deles provavelmente Abdeslam, que seria detido dias depois em Molenbeek

- Sob a mesma identidade falsa, Jalid também arrendou a vivenda de Charleroi, na Bélgica, onde dois dos responsáveis pelos atentados de Paris se encontraram antes de partirem para França elevarem a cabo os ataques que vitimaram 130 pessoas — Abdelhamid Abaaoud, o líder da célula, e Bilal Hadfi, um dos bombistas-suicidas que, a 13 de novembro, se fez explodir no Estádio de França

- Segundo a RTBF, um dos irmãos Bakraoui deverá ter sido o fornecer de armas e munições para os ataques com armas de fogo em Paris, em bares, restaurantes e na casa de concertos Bataclan

- Fontes da polícia dizem que os irmãos belgas foram identificados pela polícia com a ajuda de um taxista que os transportou até ao aeroporto de Zaventem na terça-feira de manhã. Quando viu as imagens de CCTV, o taxista contactou as autoridades para lhes dizer que tinha apanhado aqueles homens num bairro de Schaerbeek, deixando-os no aeroporto. Segundo o portal belga "HLN", o taxista disse lembrar-se que os homens tinham demasiada bagagem para caber no carro e que foram forçados a deixar alguma para trás. Para além disso, os suspeitos não o deixaram ajudá-los a descarregar as malas à chegada ao aeroporto. Foram estas informações a conduzir a polícia federal até ao apartamento de Schaerbeek onde, ao final desta terça-feira, foram encontrados engenhos explosivos, químicos e uma bandeira do Daesh

Terceiro suspeito em fuga

Um terceiro suspeito captado pelas câmaras de segurança em Zaventem continua a monte, com os media belgas a alegarem que poderá ser Najim Laachraoui, de 25 anos — descrito no site DH.be como o possível fugitivo pelas parecenças físicas entre o terceiro homem das imagens CCTV e a foto de Laachraoui divulgada pela polícia belga na terça à noite.

O homem já estava na mira das autoridades após o seu ADN ter sido encontrado em várias das casas da Grande Bruxelas usadas pela célula do Daesh que atacou Paris em novembro, segundo explicou a procuradoria belga na segunda-feira. De acordo com as autoridades, em setembro Laachraoui tinha viajado com Abdeslam até à Hungria.

A correspondente do "The Guardian" em Bruxelas avança que Laachraoui cresceu no bairro bruxelense de Schaerbeek e terá viajado para a Síria em 2013, tornando-se num dos mais importantes recrutadores de militantes do Daesh entre os jovens belgas. Em 2014, foi emitido um mandado de captura internacional contra ele, o que não impediu que voltasse para a Bélgica vindo do Médio Oriente. Desde dezembro que, no âmbito das investigações aos atentados de Paris, a polícia procura um homem que usa o pseudónimo Soufiane Kayal e que recentemente se comprovou ser Laachraoui.