Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

“Creo en el pueblo cubano.” Obama em Havana

  • 333

Todos os cubanos têm direito a “exprimir-se sem medo”, disse Barack Obama num discurso que durou perto de uma hora no mais importante teatro de Havana. Raúl Castro estava lá e ouviu o homólogo americano dizer que os cubanos têm “direito a escolher o seu Governo”

A televisão nacional de Cuba transmitiu em direto o discurso de Barack Obama no Teatro Alicia Alonso: “Penso que os cidadãos devem ser livres de exprimir as suas opiniões sem medo, de criticar o seu Governo e de se manifestarem de forma pacífica”, disse Obama, perante o seu homólogo Raul Castro e uma assitência que enchia o mais importante teatro de Havana.

Entre os muitos cubanos presentes, estava a antiga primeira-bailarina Alicia Alonso: “Penso que os eleitores devem poder escolher o seu governo em eleições livres e democráticas”.

O presidente Raul Castro aplaudiu o discurso de Obama, quando este apelou ao Congresso dos EUA para autorizar o levantamento do embargo a Cuba.

O primeiro presidente dos EUA a visitar Cuba nos últimos 88 anos tem previsto um encontro com um grupo de dissidentes e opositores cubanos na embaixada dos Estados Unidos.

  • Raúl Castro: “Deem-me a lista de nomes de presos políticos. Se houver algum, sai em liberdade”

    Raúl Castro nega existência de presos políticos em Cuba - e desafiou o jornalista que lhe fez a pergunta a dar-lhe uma lista dos nomes. Presidente cubano falou ainda dos direitos humanos no país, questionando se há alguma nação no mundo que os cumpra todos - e disse que Cuba cumpre 47 dos 61 direitos humanos. Foi um momento tenso durante a conferência de imprensa conjunta com Obama, em Havana

  • Obama. “Embargo a Cuba vai acabar, mas não sei quando”

    No discurso que fez durante o encontro histórico com Raúl Castro em Havana, Barack Obama fez questão de sublinhar que Cuba é soberana, mas disse que os Estados Unidos não deixarão de falar em nome da democracia, da iberdade de expressão e dos direitos humanos. “Temos décadas de diferenças”

  • O português que faz colchões em Cuba: “Aqui não se poupa há muito tempo”

    Há “três gerações que os cubanos não sabem o que é juntar dinheiro”, diz Luís Morim, gerente de uma empresa hispano-cubana que faz almofadas e colchões. Estava “apreensivo” quando foi destacado para Havana, mas confessa: “gostaria de manter-me por cá”. Agora, “Cuba só tem que melhorar”. A mesma Cuba que vive História: o presidente da América está em Havana