Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

A coragem e a solidariedade das horas que se seguem

  • 333

As pessoas começam a juntar-se em solidariedade para com as vítimas dos ataques desta terça-feira

CHARLES PLATIAU / REUTERS

Depois das explosões no aeroporto e na estação de metro em Bruxelas, têm surgido gestos e manifestações de solidariedade: pelas vítimas e as suas famílias, pelos sobreviventes, por Bruxelas e pela Bélgica. Há mensagens escritas a giz no chão, troca de boleias e de alojamento em casa, mensagens de condolências e ilustrações com o Tintin

Nas horas que se seguiram aos ataques desta terça-feira em Bruxelas, foram surgindo as reações, as respostas e os gestos de solidariedade, à medida que as informações vão surgindo e se vai traçando mais um retrato de terror. A solidariedade surge pelas vítimas mortais das explosões, pelas suas famílias, mas também pelos feridos, por Bruxelas, pela Bélgica.

Ao mesmo tempo que são feitas as declarações públicas de condolências e de horror perante os ataques, assiste-se a gestos de ajuda. E um deles foi o da Federação Belga de Táxis que, pouco depois das explosões no aeroporto de Bruxelas e a estação de metro, pediu aos taxistas através do Twitter que se disponibilizassem para transportar gratuitamente as pessoas, tirando-as das zonas mais críticas. Várias pessoas elogiaram, de seguida, a atitude dos taxistas.

Foi também criada uma hashtag #ikwilhelpe (“Quero ajudar”) que tem estado a ser usada na Bélgica, através das redes sociais, para partilha de alojamento e de boleias, entre outras formas de ajuda. Noutros casos, e à semelhança do que já tinha acontecido em situações anteriores, utiliza-se também a hashtag #porteouverte (porta aberta), para oferecer alojamento a quem precise.

Ao início da tarde começaram a ser partilhadas fotografias do chão da Place de la Bourse, no centro da cidade, onde foram escritas várias mensagens a giz, com várias cores: “No War” (Não à Guerra), “Pray for Belgium” (Rezem pela Bélgica) e “Vive la Paix” (Viva a Paz) são alguns exemplos.

Logo desde cedo, e como sinal de respeito e solidariedade, a Comissão Europeia colocou as bandeiras a meia haste.

Nas redes sociais, foram também partilhandas vários cartoons e ilustrações que expressam as emoções provocadas pelos ataques em Bruxelas.

Em particular, tem sido usado a imagem de Tintin, criada pelo belga Georges Prosper Remi, mais conhecido como Hergé, em 1929.

Vários têm sido também os tributos e mensagens de condolências. Uma delas foi de Martin Schulz, presidente do Parlamento Europeu, que disse estar “horrorizado” com os ataques, segundo o comunicado que partilhou no Twitter. “Estes atos irritam-me e entristecem-me ao mesmo tempo”, afirma. “Bruxelas, como qualquer outra cidade alvo de ataques terroristas, permanecerá forte.”

“Em nome do Parlamento Europeu, expresse ao primeiro-ministro
belga a minha compaixão e solidariedade para com o povo belga.”

Também Jean-Claude Juncker, presidente da Comissão Europeia, partilhou uma fotografia no Twitter. “Estes ataques tocam hoje Bruxelas hoje, ontem Paris. A Europa, por inteiro, é visada.”

Também o presidente do Irão, Hassan Rouhani, criticou os ataques terroristas. “Condeno firmemente os ataques em Bruxelas. Profundas condolências ao Governo e ao povo da Bélgica”, publicou no Twitter.

Entre outras mensagens, Bernie Sanders, candidato à presidência dos Estados Unidos, afirmou também no Twitter que este é um “ataque bárbaro”.