Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Usaram photoshop para colocá-la em imagens pornográficas e ela respondeu à letra

  • 333

A cara da atriz Jyothi Krishna foi colada em imagens pornográficas e correu a internet. Ela decidiu responder num post que se está a tornar viral e reportar o caso, que é demasiado comum, às autoridades indianas

Para muitos de nós, as palavras Índia e cinema vêm imediatamente acompanhadas de um termo: Bollywood. A verdade é que Bollywood pode ser a indústria cinematográfica mais conhecida do país, mas não é a única: o estado do sul da Índia Kerala produz cerca de 200 filmes por ano, alguns deles com a estrela Jyothi Krishna a liderar o elenco.

Jyothi Krishna acaba de saltar do estrelato no seu país para os media internacionais, mas não é pelas melhores razões. A indústria em que trabalha é mais conservadora e menos mainstream do que Bollywood e também mostra cenas menos atrevidas, por isso terá sido uma surpresa para muita gente quando imagens pornográficas de Krishna começaram a circular em grupos do Whatsapp e depois pela internet fora.

A explicação é simples: não era Krishna. A cara da atriz tinha sido colocada com recurso a photoshop no corpo de atrizes pornográficas e as imagens andavam a circular no mundo virtual como se ela fosse a protagonista. Mas Krishna não deixou as pessoas que o fazem, a si e a outras atrizes – esta é uma prática comum na Índia - sem resposta, e escreveu um post no Facebook que já conta com mais de 25 mil gostos.

"Estou a falar para dar voz a vítimas de assédio sexual virtual como eu, para lhes dar força para se expressarem e fazer com que os responsáveis respondam na Justiça", escreve Krishna. "Não tenho mais nada a dizer, a não ser que quem manipulou esta imagem falhou. Tive imenso apoio dos meus amigos. Estou tão agradecida a todos os que ficaram do meu lado e me apoiaram".

À BBC, a estrela explica que o primeiro a alertá-la para as fotografias foi um realizador seu amigo. "Depois, vários dos meus amigos e parentes começaram a avisar-me de que estavam a ser muito partilhadas nas redes sociais", detalha a atriz, que já reportou o caso às autoridades indianas.

Escape para homens reprimidos

A história de Krishna não espanta quem conhece a realidade e a indústria mediática do país. Um estudo da polícia de 2012 citado pela BBC dá conta de que um quarto da pornografia produzida na Índia vem de Kerala.

Um psiquiatra que estuda a prática de colocar as caras de atrizes conhecidas em corpos de modelos pornográficos, P. Somanath, explica à cadeia britânica que "as atrizes deste estado não fazem papéis em que tenham de expor o seu corpo, como em Hollywood e Bollywood. É possível que a sexualidade reprimida e a curiosidade de homens de uma certa faixa etária neste estado, aliados ao conhecimento das novas tecnologias, tenham encontrado um escape com a criação e partilha destas imagens".