Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Um bacalhau para a História

  • 333

Obama e Raul Castro encontraram-se no Palácio da Revolução em Havana no segundo dia da histórica visita do presidente americano a Cuba

JONATHAN ERNST/REUTERS

Barack Obama, presidente norte-americano, e Raul Castro, o seu homólogo cubano, encontraram-se esta segunda-feira no Palácio da Revolução em Havana. Este aperto de mão é histórico

O presidente cubano, Raul Castro, recebeu esta segunda-feira o seu homólogo norte-americano, Barack Obama, no Palácio da Revolução em Havana, num encontro histórico que marca o restabelecimento de relações diplomáticas entre os dois países.

O encontro bilateral acontece no âmbito da visita oficial de Obama, o primeiro presidente norte-americano em exercício a pisar solo cubano em quase nove décadas, e inserido no processo de restabelecimento das relações diplomáticas entre os Estados Unidos e Cuba, que durante mais de meio século viveram de costas voltadas.

Esta é a quarta vez que os dois líderes se encontram, mas a primeira em solo cubano.

Dentro da sede do governo cubano, Raul Castro saudou Obama com um aperto de mão e os dois líderes posaram sorridentes para as câmaras. Após este momento, teve início a cerimónia oficial de boas-vindas. Os dois governantes ouviram os hinos de Cuba e dos Estados Unidos perante as bandeiras dos respetivos países.

Depois, Castro e Obama passaram revista a uma guarda de honra composta pela Unidade de Cerimónia das Forças Armadas Revolucionárias de Cuba.

No fim da cerimónia protocolar, o líder cubano cumprimentou os vários membros da administração norte-americana que acompanham Obama nesta visita, entre eles, o secretário de Estado, John Kerry, e os responsáveis pelas pastas do Comércio e da Agricultura, Penny Pritzker e Tom Vilsack, respetivamente.

Por seu lado, a comitiva norte-americana saudou os vários elementos do governo cubano presentes na cerimónia, nomeadamente o primeiro vice-presidente Miguel Díaz-Canel e o chefe da diplomacia cubana Bruno Rodríguez.

Antes do encontro com Raul Castro, Obama visitou o memorial do herói nacional cubano José Martí, localizado na Praça da Revolução em Havana.

O chefe de Estado norte-americano depositou uma coroa de flores junto do memorial e ouviu-se o hino dos Estados Unidos naquela praça emblemática da capital cubana, também conhecida pela imagem do líder revolucionário Ernesto "Che" Guevara num prédio.

Visita histórica a Cuba

Barack Obama e a respetiva família chegaram à capital cubana no domingo. Calvin Coolidge (1923-1929) foi o último Presidente norte-americano em exercício que visitou Cuba, em 1928.

Após mais de 50 anos sem relações diplomáticas, os Estados Unidos e Cuba anunciaram a 17 de dezembro de 2014 uma aproximação histórica entre os dois países, separados unicamente pelos 150 quilómetros do Estreito da Florida.

Depois de vários meses de rondas negociais, os líderes norte-americano e cubano, Barack Obama e Raul Castro, anunciaram a 1 de julho de 2015 o restabelecimento das relações diplomáticas e a abertura de embaixadas nas capitais de cada país.

Obama e Castro já se tinham reunido antes por três vezes: na VII Cimeira das Américas no Panamá em abril de 2015; nas cerimónias fúnebres do líder histórico sul-africano Nelson Mandela em 2013; e na Assembleia-geral da ONU em Nova Iorque em setembro do ano passado.