Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

PM turco garante determinação na luta contra o terrorismo

  • 333

Carl Court/GETTY

No dia de mais um atentado na Turquia, Ahmet Davutoğlu assegura que o país continuará a combater o terrorismo “até ser completamente erradicado”

O primeiro-ministro turco, Ahmet Davutoğlu, condenou o atentado que matou este sábado cinco pessoas e feriu outras 36 na Avenida Istiklal, no centro da capital, e garantiu empenho na luta contra o terrorismo, uma semana depois de se ter registado outro ataque em Ancara.

“Hoje ocorreu outro ataque desumano no nosso território. Mas uma coisa posso garantir: a Turquia continuará a combater o terrorismo – com a mesma determinação –, até ser completamente erradicado”, declarou Ahmet Davutoğlu, num comunicado.

Dirigindo-se às vítimas e aos familiares, o chefe do governo turco expressou as suas condolências e desejou as rápidas melhoras aos feridos. “Em nome do meu país e governo, condeno os assassinos que cometeram este ataque atroz contra pessoas sem qualquer distinção, bem como todos os traidores que os apoiaram. Manifesto também os meus sentimentos pelas vítimas e familiares e desejo uma recuperação rápida às pessoas que ficaram feridas”, acrescentou.

Em linha com o discurso do Presidente, Ahmet Davutoğlu defendeu que este tipo de atentados mostram que o terrorismo é uma ameaça global, sendo necessária “maior cooperação” para erradicá-lo.

Também o ministro da Saúde turco, Mehmet Müezzinoğlu,– que está a acompanhar a situação dos 36 feridos – condenou o ataque no país.“Nós como nação estamos infelizmente a enfrentar uma situação de atos ilimitados e incomensuráveis que desafiam os valores humanos e são traiçoeiros”, disse Mehmet Müezzinoğlu

O ministro dos Negócios Estrangeiros do Irão, Mohammad Javad Zarif, que se encontra numa visita oficial a Istambul, afirmou que este ataque mostra “o lado mais feio do terrorismo”, enquanto o secretário geral da NATO, Jens Stoltenberg, lamentou no Twitter mais um atentado “contra civis inocentes e o aliado Turquia”.

Apesar de o ataque deste sábado ainda não ter sido reivindicado, as autoridades acreditam que a responsabilidade recaíra sobre o Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK).

Na sexta-feira, o Presidente turco Recep Tayyip Erdoğan alertou que a União Europeia está a “dançar num campo de minas” com “víboras que podem mordê-la a qualquer momento”, criticando os países que - segundo diz - apoiam direta ou indiretamente organizações terroristas.