Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

“House of Cards” já goza com a crise brasileira

  • 333

São dias agitados na política brasileira: um Governo muito contestado nas ruas, um novo ministro (entretanto suspenso) que já foi presidente e é suspeito de práticas de corrupção, um juiz implacável que divulga as escutas aos políticos, o povo nas ruas.Frank Underwood já se pronunciou

É raro ver Frank Underwood a sorrir. Normalmente, é um evento que só acontece quando o presidente norte-americano mais implacável do pequeno ecrã está a ser cínico ou quando consegue que qualquer coisa retorcida o beneficie.

Mas, afinal, há um terceiro fator que põe Frank (interpretado por Kevin Spacey na série House of Cards) de bom humor. E não é nada mais nada menos do que ver qualquer coisa tão retorcida como o enredo da série a concretizar-se na vida real: estamos a falar do Brasil, claro, onde a situação política está a ferro e fogo e o Governo de Dilma parece ficar mais comprometido a cada segundo que passa.

A comparação entre a série e a política brasileira já tinha sido feita esta semana pelo jornal alemão “Die Zeit”, numa reportagem que dá conta dos altos e baixos de Dilma e Lula. Agora, os produtores da série decidiram reagir com humor à comparação publicando um tweet em que Frank Underwood sorri com a legenda “a ver as notícias de hoje sobre o Brasil”.

Os utilizadores da rede social não demoraram a reagir à piada, defendendo que Underwood “tem de comer muito arroz e feijão para se comparar aos políticos brasileiros. Um reparo que os produtores aceitam com humildade:

Na verdade, quem escreve o argumento de “House of Cards” já tinha percebido que por muitas manobras políticas questionáveis que Frank leve a cabo, os políticos brasileiros estão a tornar a realidade mais incrível do que a ficção: esta quarta-feira à noite, a página oficial da série no Facebook explicou que está a aprender uma lição com as notícias do Brasil, escrevendo que está neste momento "a estudar". Um internauta respondia: “Desculpa dizer, mas a política brasileira está mais emocionante do que House of Cards”.