Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Brasil: FMI aconselha “reforço” da economia para enfrentar “situação difícil”

  • 333

Bill Murray, porta voz do Fundo Monetário Internacional sublinhou que a mais importante economia da América do Sul precisa de “retomar a confiança e fomentar o investimento”

O Brasil "enfrenta "uma situação difícil", para a qual "a chave é o reforço" da economia, aconselhou esta quinta-feira o Fundo Monetário Internacional (FMI), a propósito da crise política no país latino-americano.

Em conferência de imprensa, o porta-voz do FMI, Bill Murray, frisou que "o Brasil deve reforças as bases da sua economia, que já foram úteis no passado, para retomar a confiança e fomentar o investimento".

A mais importante economia da América Latina viu o seu Produto Interno Bruto recuar 3,8% em 2015, o pior resultado dos últimos 25 anos. Segundo as estimativas, este ano deverá ser também marcado por nova contração.

O Brasil, que esteve sob intervenção do FMI nos anos 1990, ainda não pediu assistência à instituição internacional, assegurou o porta-voz.

O FMI adiantou que está a seguir de perto a situação, sublinhando, porém, que não tenciona "imiscuir-se" na situação política interna de um Estado-membro.

O Brasil está a atravessar um dos períodos de maior turbulência política da sua história, na sequência de um escândalo de corrupção.

O ex-Presidente Lula da Silva, que esta quinta-feira tomou posse como ministro da Casa Civil do governo, viu um despacho judicial suspender a sua nomeação.

Um pouco por todo o país, os brasileiros têm-se manifestado contra a escolha de Lula da Silva, encarada como uma tentativa de escapar à justiça, dado que o ex-Presidente está a ser investigado no âmbito da Operação Lava Jato, sobre um esquema de corrupção em várias empresas, incluindo a petrolífera estatal Petrobras.

A nomeação de Lula como ministro confere-lhe foro privilegiado, podendo apenas ser investigado pelo Supremo Tribunal Federal.

A contestação ao governo cresce, nomeadamente nas ruas, numa altura em que a Presidente Dilma Rousseff arrisca um processo de impugnação.