Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

A moda dos tiros para o ar que acabam com mortes nos casamentos na Índia

  • 333

GETTY

Os familiares e amigos dos noivos indianos pensam que ao disparar para o ar não atingem ninguém, mas nem sempre isso acontece e os acidentes têm-se repetido com o alargar da moda no norte do país

Só no passado fim de semana, uma pessoa morreu e três ficaram feridas devido a tiros disparados durante os festejos de casamentos no norte da Índia, segundo os dados recolhidos pelo correspondente da BBC Justin Rowlatt.

Na pequena aldeia de Raipur Bhood, no estado de Uttar Pradesh, o fotógrafo do casamento morreu devido a um tiro disparado por um familiar dos noivos. O profissional foi atingido no estômago, tendo vindo a falecer já no hospital. Na mesma cerimónia, uma rapariga de 17 anos também ficou ferida devido aos disparos efetuados pelos familiares dos noivos.

Também no último fim de semana, noutra aldeia do norte da Índia o pai de um dos noivos atingiu um rapaz de 12 anos e numa terceira localidade uma mulher ficou também ferida de modo semelhante enquanto assistia a um casamento.

A estes caso, soma-se ainda o ocorrido há dias nos subúrbios da capital Nova Deli, quando um dos convidados de um casamento começou a disparar acabando por ferir cinco pessoas. E no passado mês de fevereiro, quatro pessoas morreram no estado de Uttar Pradesh devido a este tipo de prática. Num desses casos, um dos mortos era o noivo.

“Nos tempos recentes”, refere o “The Times of India”, “nós testemunhámos que a vida de inocentes tem sido perdida devido a disparos festivos, e as ocasiões felizes dão então lugar ao luto”.

Face à propagação da moda, um tribunal da capital de Uttar Pradesh ordenou que qualquer caso de disparos festivos seja investigado, independentemente de ter sido ou não apresentada queixa às autoridades, refere o artigo da BBC.

Dados recolhidos nos Estados Unidos, indicam que, ao contrário do que se pensa, os tiros disparados para o ar podem ser mais fatais quando atingem pessoas, pois ao caírem as balas têm mais probabilidades de atingi-las na cabeça.