Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Refrigerantes vão pagar imposto adicional no Reino Unido

  • 333

Justin Sullivan/Getty Images

Verba obtida financiará programas de atividade desportiva nas escolas

As bebidas açucaradas vão passar a pagar um imposto no Reino Unido, medida que terá efeitos a partir de abril de 2018, incidindo sobre todos os refrigerantes com mais de cinco gramas de açúcar por cada 100 ml. O objetivo é combater a obesidade infantil, pelo que a verba obtida financiará atividades desportivas promovidas pelas escolas.

A taxa deixará de fora as bebidas lácteas e os sumos de fruta. Segundo as estimativas do governo, a aplicação do imposto permitirá recolher até 661 milhões de euros/ano.

“Todos sabemos que um dos fatores que mais contribui para a obesidade infantil são as bebidas açucaradas”, disse o ministro britânico das Finanças, George Osborne. “Não estou preparado para olhar para trás e recordar os meus dias no Parlamento e dizer à geração dos meus filhos ‘lamento, sabíamos que havia um problema com os refrigerantes, sabíamos que provocavam um problema de saúde, mas resolvemos não tomar decisões difíceis’”, acrescentou, citado pelo jornal ”El País”.

Ainda que o mesmo ministro tenha argumentado que a obesidade custa anualmente 27 milhões de libras ao país (cerca de 35 milhões de euros), a criação do imposto foi controversa dentro do próprio Partido Conservador, sobretudo por haver quem defenda que é um excesso de paternalismo do Estado ou a julgue uma medida de duvidosa eficácia.

Mas há quem aplauda, como o diretor do Serviço Nacional de Saúde em Inglaterra, Simon Stevens. A esperança é que, até 2018, as empresas produtoras das bebidas em causa modifiquem a composição dos seus produtos, dando um exemplo que o resto do mundo possa vir a imitar.

Neste domínio, o Reino Unido não é pioneiro. Também o México - país que é o maior consumidor de refrigerantes em todo o mundo e o segundo com a maior taxa de obesidade, logo depois dos EUA - aprovou em 2013 um imposto semelhante. Estudos posteriores apontam para uma queda de 6% nas vendas destas bebidas, em 2014.